Os fãs da canção “Under Pressure”, que foi lançada em single, em 1981, resultado de uma parceria entre David Bowie e os Queen, têm motivos para alimentar a expetativa de que, num destes dias, surjam novos temas interpretados pelos mesmos músicos. Parece que aquela faixa não foi o único resultado das sessões de gravação que juntaram em estúdio Bowie e a banda de Freddy Mercury, de acordo com um novo livro sobre o autor de álbuns históricos como “Ziggy Stardust and The Spiders From Mars” que deverá ser publicado em breve.

Na obra, da autoria de Neil Cossar, historiador de música, um antigo gestor da equipa de roadies dos Queen afirma ter assistido aos trabalhos de estúdio que deram origem a “Under Pressure” e garante que foram registadas mais canções que acabaram por nunca ver a luz do dia. De acordo com o jornal britânico Guardian, Peter Hince revelou a Cossar: “Eles interpretaram algumas canções originais que compuseram em conjunto, assim como versões” de temas de outros músicos. O antigo roadie acrescenta que começaram apenas por improvisar, numa jam session, mas que tudo acabou por ficar gravado, num repertório que inclui All The Young Dudes, tema de Bowie, All The Way From Memphis, da autoria de Ian Hunter e originalmente lançado pela banda Mott The Hoople, e outros clássicos do rock.

Em declarações ao Guardian, Hince asseverou que as gravações existem, mas fontes oficiais que representam os interesses de David Bowie e dos Queen não quiseram fazer comentários sobre as revelações. O jornal recordou, porém, que as revelações de Hince vão ao encontro de afirmações anteriores de Brian May, guitarrista da banda que, numa entrevista à revista Mojo, disse, a propósito das sessões de “Under Pressure”, que nem tudo o que Bowie e os Queen fizeram alguma vez viu a luz do dia, admitindo que a edição deste material poderia ser uma ideia a concretizar.

As sessões em causa realizaram-se nos Mountain Studios, pertencentes aos Queen e localizados em Montreux, Suíça, onde Freddy Mercury viveu e onde, após a sua morte, foi homenageado com a inauguração de uma estátua. Roger Taylor, baterista da banda, recordou que Hince era um grande fã de David Bowie, que tinha uma casa nas proximidades, em Vevy. Foi o manager dos roadies, que trabalhou nas digressões de Bowie que promoveram “Ziggy Stardust” e “Diamond Dogs”, em meados dos anos 1970, que levou o músico até aos estúdios onde se terá gerado uma forte empatia entre os músicos.

Dúvidas sobre a quem pertencem as gravações poderão ser a explicação para que as gravações em causa nunca tenham sido objeto de mistura e de edição. David Bowie faleceu em 2016 e Freddy Mercury sucumbiu ao vírus da SIDA em 1991. Intitulado “David Bowie: I Was There”, o livro de Neil Cossar será lançado a 21 de julho de 2017 pela editora Red Planet Publishing. O autor disse que, antes de falar com Peter Hince, jamais tinha ouvido falar nas gravações realizadas em Montreux no início dos anos 1980.