Sindika Dokolo foi condenado, à revelia, a um ano de prisão num processo em que é acusado de fraude no ramo imobiliário na República Democrática do Congo. O empresário e colecionador de arte congolês, casado com a também empresária Isabel dos Santos, responsabilizou o presidente Joseph Kabila pela condenação. Dokolo é um forte crítico de Kabila e considera que a condenação tem motivações políticas.

A denúncia foi feita na sua conta na rede social Twitter, depois de inaugurar, em Luanda, uma nova fábrica de cimento do grupo que lidera, a Cimangola. “Quando inauguro uma fábrica de 400 milhões de dólares [cimenteira em Luanda], JKabila [Joseph Kabila] faz-me condenar a um ano de prisão por um bocado de terra. Senhor Kabila! Vai-se perder na sua Justiça”, escreveu.

Os exatos contornos deste caso não são conhecidos mas, em junho de 2017, o principal rival político do presidente congolês, o ex-governador Moise Katumbi, foi igualmente condenado por fraude imobiliária, pouco depois de ter anunciado a candidatura às eleições presidenciais no país, previstas para dezembro. Dokolo é um conhecido apoiante de Katumbi.

“Esta condenação é prova de ignorância. Parece-me que [Joseph] Kaliba e os seus serviços de informações já nem com as aparências se preocupam”, disse o empresário à agência de notícias Reuters. As eleições na República Democrática do Congo estavam marcadas para Novembro de 2016, mas foram adiadas indefinidamente. Os protestos já mataram dezenas de pessoas.