Um ataque cibernético de dimensões globais pode gerar perdas que podem chegar aos 121 mil milhões de dólares (cerca de 105 mil milhões de euros), mais do que o prejuízo causado pelo furacão Sandy de 2012, segundo um estudo publicado esta segunda-feira pela seguradora Lloyd’s.

O estudo procurou medir o impacto económico potencial de um ataque causado por piratas informáticos (hackers) e de outro ataque às informações guardadas na cloud (servidores virtuais), calculando que as perdas podem variar entre os 4,6 mil milhões e os 121 mil milhões de dólares (105,5 mil milhões de euros) num caso de ataque extremo.

“Devido à dificuldade em quantificar as perdas com precisão, o número pode chegar a 121 mil milhões de dólares ou ficar limitado a 15 mil milhões”, explicou a seguradora Lloyd’s, que apresentou o estudo, citada pela AFP.

Para efeito de comparação, o furacão Sandy, o segundo mais destruidor desde que começaram os registos, gerou perdas económicas avaliadas entre os 50 e os 70 mil milhões de dólares.

Os valores apresentados incluem os gastos de recuperação dos sistemas e os prejuízos causados durante um ano pela perda ou atraso nas operações informáticas que sustentam a grande maioria das empresas.

“Estima-se que até 2016 os ataques cibernéticos tenham custado cerca de 450 mil milhões de dólares às empresas em todo o mundo”, acrescenta o relatório.