Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As famílias dos dois instruendos que morreram no curso de comandos pedem indemnizações ao Estado que rondam pelo menos 650 mil euros. De acordo com o Público, a família de Hugo Abreu já entregou um pedido de indemnização civil que é superior a 300 mil euros e a família de Dylan da Silva vai fazer um pedido no valor de 350 mil euros. Os pedidos de indemnização vão ser decididos em julgamento em conjunto com o processo criminal.

No final de junho, o Ministério Público avançou com 489 acusações contra 19 militares ligados ao 127.º curso de Comandos, no âmbito do processo em que se investigavam as circunstâncias que levaram à morte dos instruendos. Ao todo, estão em causa crimes de abuso de autoridade por ofensas à integridade física.

O maior número de acusações visa o 1º sargento Gonçalo Fulgêncio e os 1º cabo Fábio António e José Pires — respetivamente, o oficial da instrução de tiro e responsável pela formação e os encarregados de formação.

Cada um dos militares poderá — porque ainda há possibilidade de ser requerida a abertura de instrução do processo e de alguns dos crimes não chegarem a julgamento — responder por 59 crimes: 57 de ofensas à integridade física simples e dois de ofensas graves, cada um deles punido com penas que vão dos dois aos oito anos de prisão, no primeiro caso, e dos oito aos 16 anos de prisão, no segundo.

Comandos. 19 militares acusados de 489 crimes