Uma pequena vila alemã viu-se transformada este fim-de-semana na capital musical neonazi. Themar, no estado de Turíngia, tem apenas três mil habitantes mas foi “invadida” por seis mil nazis para participarem num festival com o mote “Rock contra a estrangeirização.” Apesar da afluência, que levou mil polícias ao local, não foi registado qualquer incidente.

Os neonazis, conta o El País, começaram a chegar a Themar no sábado, sem que a população local — que tudo fez para impedir o festival — pudesse fazer alguma coisa contra isso. Começaram a chegar com camisas negras com inscrições como “A invasão de Themar” ou “O III Caminho”, numa alusão ao III Reich de Adolf Hitler.

O concerto revoltou a população, que reagiu com manifestações pacíficas e com cartazes que foram sendo espalhados e que tinham mensagens como “Não deixem a cidade nas mãos de extremistas de direita!”. No dia anterior ao concerto os moradores fizeram um evento ecuménico, com membros de várias religiões, a protestar contra o evento e o ministro do Interior do estado da Turíngia disse que o concerto causava “dano” à imagem da região. Os proprietários de pensões decidiram fechar portas só para não alojar os neonazis.

A tranquilidade de Themar pode estar em risco. O concerto foi realizado num terreno alugado por Bodo Dressel — um antigo militante do partido da direita populista alemã, Alternativa para a Alemanha — a um cozinheiro de 30 anos, Tommy Frenck, que também simpatiza com a causa nazi. Devido ao sucesso do concerto, Dressel já anunciou outro evento para 29 de julho.

Os neonazis têm muita força na região da Turíngia. Em 2o16, foi aqui que se realizaram uma quinta parte dos 68 concertos de extrema-direta realizados na Alemanha.