Rádio Observador

Hotelaria

Um hotel sustentável, de luxo e… desmontável. Assim é o Vivood

O Vivood é um hotel de luxo, amigo do ambiente e... desmontável. O criador foi Daniel Mayo que quer aliar o conceito de luxo e bem-estar ao do respeito pelo meio ambiente.

No primeiro ano de serviço faturou mais de 1.3 milhões de euros

@ Booking

Chama-se Vivood e é um hotel de luxo, sustentável… e desmontável. Tem dois anos desde que abriu portas e a tendência é para crescer, garante o diretor do hotel.

Nasceu em Benimantell, na província espanhola de Alicante. O Vivood Landcape Hotel é um projeto hoteleiro de Daniel Mayo. É dirigido a um público adulto e que procura a natureza e o silêncio. Nos seus primeiros anos de vida, o primeiro hotel paisagístico de Espanha já acumulou uma dezena de prémios, mais de 21 mil hóspedes e a faturação superou os dois milhões de euros.

São razões para deixar Daniel Mayo contente já que, na opinião do próprio, as projeções iniciais “foram superadas”.

Jamais imaginávamos que no mercado nacional havia tanta necessidade de experiências diferentes, de conexão com a natureza, de luxo e evasão”, explica ao El Español.

Como funciona?

A infraestrutura é feita em madeira, tem uma estrutura totalmente flexível e pode ser montada de diferentes formas em cima de uma base móvel. Por ser dividida em placas pré-fabricadas, a casa é “construída” em algumas horas e não é preciso recorrer a muitas ferramentas.

Como é flexível, o tamanho da casa pode variar de acordo com a escolha do formato. Assim, ela pode ir até 32 metros quadrados, com 2,5 metros de altura. A base é adaptável para qualquer tipo de terreno, inclusive em áreas íngremes, sem a necessidade de fazer grandes perfurações no solo.

A ideia de casa desmontável nasceu há uma década, quando Daniel ainda estudava arquitetura. Na altura, desenhou um modelo de casa de madeira desmontável. Foi idealizada como uma vivenda de emergência depois de uma catástrofe natural e Daniel acabaria por orientar esse projeto para o turismo, depois de vencer um concurso de jovens empreendedores que premiava projetos com valor para a sociedade.

O vídeo de apresentação do conceito:

As 25 suites que compõem o hotel estão instaladas numa área de 84 metros quadrados no vale de Guadalest. O alojamento tem 25 suites e está totalmente integrado na natureza, no entanto toda a instalação pode reverter-se.

No primeiro ano de serviço faturou mais de 1.3 milhões de euros. Foi o triplo do registado no segundo semestre de 2015, quando abriram portas. Ainda assim, o resultado global está com perdas de algo superior a 59 mil euros, mas o diretor acredita que o rendimento está perto. “Em 2017 vamos faturar mais do que no ano anterior, [o rendimento] vai chegar este ano”.

O Vivood vai acolher, em outubro, o primeiro Congresso Mundial de Hóteis Paisagísticos, por ocasião do Ano Internacional do Turismo Sustentável, onde se irá debater as tendências do setor ou a arquitetura.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)