Uma jovem está no centro de uma controvérsia na Arábia Saudita, depois de ter publicado um vídeo a passear de minissaia numa das províncias mais conservadoras do país. O Comité de Promoção da Virtude e Prevenção do Vício (CPVPV) da Arábia Saudita pediu, na segunda-feira, que se julgue a jovem que aparece no vídeo, refere o El País.

O breve vídeo, originalmente publicado no Snapchat, mostra a mulher a caminhar por um antigo forte em Ushayqir, uma vila de Najd. O CPVPV referiu em comunicado ser responsável pelo cumprimento das regras morais sauditas e informou que “o caso da menina que atravessou a zona histórica de Ashkir foi enviado às autoridades competentes”.

O jornal saudita Okaz informou no domingo que as autoridades locais escreveram uma carta ao governador da região e à polícia a pedir uma ação contra os envolvidos na realização do vídeo.

https://twitter.com/50BM_/status/886614068768976897?ref_src=twsrc%5Etfw&ref_url=http%3A%2F%2Fwww.bbc.com%2Fnews%2Fworld-middle-east-40633687

A jovem já foi identificada e questionada pela polícia e terá alegado que o vídeo foi publicado por uma conta em seu nome, sem o seu conhecimento. O comunicado da polícia refere que o caso foi reencaminhado para a procuradoria-geral para uma acusação formal.

O vídeo iniciou uma grande discussão nas redes sociais, com muitos a pedirem a prisão da mulher por quebrar os código de indumentária, e com outros a elogiarem-na pela coragem. Fatima al-Issa, uma usuária, disse nas redes sociais que “se a mulher fosse estrangeira as pessoas falavam da sua beleza, mas como é saudita, pedem a sua prisão”. Outro argumentou que se devem respeitar as leis do país: “Na França, o hijab [véu de rosto] é banido e as mulheres são multadas se o usarem. Na Arábia Saudita, usar roupas modestas é regra segundo as leis do reino”.

Na Arábia Saudita, as mulheres não podem conduzir, nem viajar para fora do país sozinhas, tendo de manter o corpo coberto da cabeça aos pés.