Moçambique

Economia de Moçambique cresceu 2,9% no primeiro trimestre

Moçambique cresceu 2,9% no primeiro trimestre relativamente ao mesmo trimestre do ano passado. O crescimento revela uma expansão de 1,8% mas os números ficam abaixo das previsões apontadas.

No ano passado, Moçambique registou o mais baixo crescimento dos últimos 15 anos

Manuel Almeida/LUSA

A economia de Moçambique cresceu 2,9% no primeiro trimestre face ao período homólogo e registou uma expansão de 1,8% face ao último trimestre do ano passado, de acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas moçambicano. O crescimento dos primeiros três meses deste ano fica abaixo das previsões das instituições internacionais, que apontam para um crescimento anual superior a 4%.

A Capital Economics prevê que Moçambique cresça 4,5% este ano, crescendo 5% em 2018 e 5,5% em 2019, depois de no ano passado o país ter registado o mais baixo crescimento dos últimos 15 anos, com uma expansão da riqueza na ordem dos 3,3%. O Fundo Monetário Internacional, por seu turno, antevê uma expansão da riqueza moçambicana de 4,5% este ano, acelerando depois para 5,5%.

Em maio, o Presidente da República, disse esperar que a economia cresça 5,5% já este ano, bem acima das previsões de Helena Afonso, analista de assuntos económicos com o pelouro de África nas Nações Unidas, que disse em maio à Lusa que a previsão de crescimento da economia de Moçambique foi revista em baixa de 5,5% para cerca de 4%.

“O problema da liquidez é um dos principais riscos para a economia moçambicana, que tem impactos sobre o nível de endividamento estrangeiro e sobre o Orçamento”, acrescentou a analista, salientando que “a instabilidade macroeconómica também não ajudará o desempenho da economia”.

Já em fevereiro, a Economist Intelligence Unit (EIU) tinha previsto que a economia de Moçambique cresça 4,2% em 2017, depois de no ano passado ter registado o valor mais baixo dos últimos quinze anos (3,3%).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Efeméride

Maio de 68: 50 anos depois

João Carlos Espada

Contra os anseios revolucionários de Maio de 68, a França permaneceu “burguesa”, isto é, livre e democrática. Pôde assim absorver ideias de Maio de 68, que teriam sido esmagadas pelos comunistas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site