Desde o início da semana, as Lojas do Cidadão de todo o país revelam dificuldades para dar resposta aos pedidos de emissão do Cartão de Cidadão. Uma “atualização do sistema informático” do Instituto dos Registos e Notariado (IRN) terá provocado algumas “intermitências” neste processo, justifica o Ministério da Justiça. De acordo com a tutela, o problema estará resolvido deste a manhã de terça-feira, mas já esta quarta-feira os cidadãos que tentaram renovar o documento de identificação continuavam a deparar-se com o mesmo problema.

Num email enviado ao Observador, um dos cidadãos que desde segunda-feira tenta renovar o seu Cartão de Cidadão em Lisboa refere que, “na explicação dada pelo segurança” nos últimos dias, lhe tem sido mencionado “um problema geral no sistema informático que torna o processo de emissão do cartão muito lento“. Como medida preventiva, os serviços estarão a atribuir “um número limitado de senhas”, que não passará das “duas dezenas” por dia.

O Ministério da Justiça reconhece o problema. Ao Observador, o gabinete de comunicação refere que ,”durante o fim de semana, foram introduzidas no sistema do IRN novas funcionalidades“. Uma operação informática que “obrigou a que os computadores tivessem de fazer uma atualização dos sistemas operativos”, o que justificaria alguma demora na resposta dos serviços.

O ministério de Francisca Van Dunem garante que essa atualização foi feita de forma “progressiva” e que, apesar de na segunda-feira terem chegado relatos de “algumas intermitências” nos serviços, o “prazo de resolução” do problema apontava para 24 horas. Ou seja, “do ponto de vista tecnológico”, na terça-feira de manhã a renovação do Cartão de Cidadão “estava operacional”.

No entanto, os relatos a que o Observador teve acesso revelam que as dificuldades se mantiveram depois desse momento. “Há vários dias que não é possível fazer o Cartão de Cidadão (pelo menos em Lisboa, dizem que o sistema está em baixo, pelo que presumo que esteja no país todo)”, referia um desses testemunhos, partilhado ao final de terça-feira. Esta manhã, “poucos minutos depois da abertura” da Loja do Cidadão da Belavista, em Lisboa, as senhas estavam “esgotadas”, diz outra pessoa afetada por este problema. A situação seria semelhante noutros serviços.

“Esta questão é particularmente problemática quando há inúmeros procedimentos públicos que estão dependentes de um cartão do cidadão válido para assinatura digital”, sublinha a mesma pessoa. “No meu caso, que sou arquiteto, este formalismo apenas se aplica à submissão de projetos em municípios. No entanto, haverá médicos que não podem passar receitas ou até meros cidadãos que não podem identificar-se eletronicamente ou presencialmente”, sublinha.