O Bloco de Esquerda vai enviar o seu próprio relatório com conclusões sobre a comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos para o Ministério Público, lamentando que os deputados do PS não tenham aparecido para votar o relatório final, permitindo que este fosse chumbado com votos da direita. “Aquilo que deveria ter acontecido era estarem todas e todos os deputados na sala para votarem o relatório”, diz Moisés Ferreira, do Bloco de Esquerda.

Não se esperavam grandes novidades da última reunião da comissão parlamentar de inquérito à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos. Já havia uma proposta de conclusões conhecida, melhorada com algumas propostas mais à esquerda. PS, PCP e Bloco de Esquerda estavam de acordo. O relatório ia ser aprovado.

No entanto, quando se chegou à altura de votar o relatório, o PS não tinha deputados suficientes na sala – João Galamba e Susana Amador estavam fora – e o voto, que é nominal, acabou por se fazer sem a esquerda tem maioria. Resultado: as conclusões foram chumbadas.

O PS ainda tentou contestar a decisão, mas não teve o apoio dos restantes partidos à esquerda e o relatório com as conclusões ficou mesmo por aprovar. Segundo o deputado do Bloco de Esquerda Moisés Ferreira, as votações foram sempre feitas desta forma e o PS deveria era ter tido os seus deputados na sala quando chegou a altura de votar.

“As votações têm sido sempre assim, de relatórios finais de comissões de inquérito. Ontem, aquilo que deveria ter acontecido era estarem todas e todos os deputados na sala para votarem o relatório e para ter-se um desfecho desta comissão de inquérito, que era gerar um relatório com conclusões sobre os 12 meses de trabalho. Isso não aconteceu. Cada grupo de trabalho sacará as suas responsabilidades. O Bloco de Esquerda estava presente e votou o relatório da comissão”, disse o deputado esta quarta-feira.

O Bloco não quer que esta espécie de golpe palaciano prejudique a responsabilização que deve ser feita dos responsáveis pelos problemas da Caixa e, por isso, anunciou esta quarta-feira em conferência de imprensa que vai enviar o seu próprio relatório, juntamente com os seus documentos de trabalho, para o Ministério Público, para que as autoridades possam ter na sua posse todos os elementos que possam vir a ajudar na investigação.

“Considerando o que aconteceu ontem, que por falta de deputados do PS, houve um chumbo a estas conclusões e, considerando que 12 meses de trabalho não podem ficar sem nenhum tipo de responsabilização e sem nenhum tipo de conclusões, o Bloco entregará estas conclusões ao Ministério Público”, disse o deputado Moisés Ferreira.

O Bloco ainda não tem o trabalho terminado, mas pensa que o poderá fazer já na próxima semana.