O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, disse na terça-feira que o Governo está a impor a “lei da rolha” na Autoridade Nacional de Proteção Civil. Num discurso durante o jantar do grupo parlamentar do PSD, Passos criticou o Governo por dar primazia à “política da comunicação”.

“Esse é o tempo que vivemos hoje, o tempo da demagogia política e é o tempo em que a política primeira, preferida, da maioria e do Governo é a da comunicação”, afirmou Passos Coelho.

Não vá a comunicação falhar, tivemos hoje notícia, provavelmente a última, de que a lei da rolha se deverá observar em matéria de serviços de proteção civil”, disse o líder do PSD.

Passos Coelho fez estas críticas pouco depois de ser noticiado, pela SIC e pela TVI, que a Autoridade Nacional de Proteção Civil iria passar a centralizar toda a informação relativa aos incêndios em Portugal continental, através da realização de dois briefings, um de manhã e um ao fim do dia, a partir da sede nacional da ANPC, em Carnaxide.

“Assim é mais fácil ser bem-sucedido na política de comunicação: é essencial que não haja notícias e depois espera-se que as que são captadas pela realidade não sejam tão más”, criticou Passos Coelho.

As críticas de Passos não ficaram apenas pela “lei da rolha”. Para o líder social-democrata, o Estado “continua a falhar”, nomeadamente no que diz respeito a novas falhas no SIRESP nos incêndios em Alijó e no apoio às vítimas de Pedrógão Grande, que ainda não viram “um tostão” do apoio dos portugueses.

“Já começa a ser um bocadinho cansativo no parlamento estar a exigir às pessoas que digam o que estão a fazer em vez de se passearem, como se se tratasse de um cenário, pelos locais da tragédia”, rematou.