Rádio Observador

Timor-Leste

Timor-Leste. Campanha eleitoral foi a “mais tranquila de sempre”

240

A campanha eleitoral para as legislativas de Timor-Leste foi "a mais pacífica" e a "mais tranquila de sempre", avançaram as autoridades locais, que garantiram que "quase não houve incidentes".

A campanha começou a 20 de junho com 21 forças políticas concorrentes que realizaram ações quase diárias pelo país

NUNO VEIGA/LUSA

A campanha para as eleições legislativas de sábado em Timor-Leste foi a mais tranquila de sempre na história do país, sem incidentes ou irregularidades graves, segundo as autoridades policiais e eleitorais ouvidas pela Lusa. “Correu tudo muito bem. Durante toda a campanha quase não se registaram incidentes“, disse à Lusa Julio Hornay, comandante da Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL). “Esta foi a campanha mas pacífica, mais tranquila de sempre”, garantiu.

A campanha para o voto de sábado, que termina esta quarta-feira, começou a 20 de junho com as 21 forças políticas concorrentes ao sufrágio a realizarem ações quase diariamente um pouco por todo o país. Mesmo em situações em que caravanas partidárias se cruzaram não se registaram problemas.

Hornay explicou que apenas houve relatos de um incidente ligeiro “que ficou resolvido em cinco minutos, em Viqueque” e de “um grupo de jovens apoiantes de um partido que andavam em Baucau à noite a fazer barulho com as motas”. O responsável policial explicou que, apesar disso, o dispositivo de segurança vai continuar destacado no terreno, “durante todo o período de votação, de contagem e depois até á publicação dos resultados” finais pelo Tribunal de Recurso, o que deve ocorrer apenas no início de agosto. “Mantemos o mesmo dispositivo no terreno, temos um plano de operações preparado para todos os municípios e, caso haja alguma situação, temos condições de aumentar o dispositivo”, referiu.

Também o presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), Alcino Baris, disse à Lusa que a campanha decorreu sem que tenham sido detetadas quaisquer irregularidades graves, sublinhando que as autoridades eleitorais continuam a coordenar tudo com a PNTL e com os partidos políticos.

Não se detetou nada de irregularidades graves. O fator essencial foi a coordenação mútua com os delegados nos municípios e a obediência dos partidos políticos que cumpriram sempre a lei”, disse.

“Os partidos, mas também a população, merecem os parabéns. Foi um esforço da CNE desde o início, com reuniões e reuniões, a chamar a atenção sempre aos dirigentes máximos para que dessem instruções aos militares e simpatizantes para não violar as regras. Isso teve este efeito positivo durante toda a campanha”, afirmou.

Estão recenseados para votar 764.858 eleitores, entre os quais 1.101 recenseados na Austrália, 589 em Portugal, 208 no Reino Unido e 227 na Coreia do Sul. As autoridades eleitorais timorenses vão instalar 1.121 estações de voto em 859 centros de votação para as legislativas, dos quais pelo menos sete funcionarão no estrangeiro, na Austrália (Darwin, Sydney e Melbourne), Coreia do Sul, Portugal e Reino Unido.

Cerca de metade dos eleitores tem de se deslocar para outro ponto do país no dia da votação, segundo estimativas das autoridades eleitorais. As urnas estarão abertas entre as 07h00 e as 15h00 locais de sábado (23h00 de sábado e 07h00 de domingo, hora de Lisboa).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)