CPLP

Governantes da CPLP debatem propostas para os próximos 10 anos

Governantes dos nove Estados-membros da CPLP reúnem-se esta quinta-feira em Brasília para debater o futuro da organização, que terá como tema "Agenda 2030: Avanços e Desafios".

Entre os documentos em debate estarão os planos de ação para a disseminação da língua portuguesa e para a cooperação económica

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Governantes dos nove Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) reúnem-se esta quinta-feira em Brasília para debater o futuro da organização, incluindo propostas sobre a disseminação do português e a cooperação económica.

A XXII reunião ordinária dos ministros da CPLP terá como tema a “Agenda 2030: Avanços e Desafios”, decorrendo sob presidência brasileira.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, os governantes da CPLP discutirão a aplicação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, aprovada pelas Nações Unidas, nos seus países.

Além disso, a agenda da reunião prevê a aprovação de uma resolução sobre a nova visão estratégica da CPLP, aprovada na última cimeira, em novembro passado, e que traça as linhas de atuação da CPLP para a próxima década.

Apenas Portugal, Brasil, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe se fazem representar pelos respetivos ministros dos Negócios Estrangeiros. Timor-Leste enviou o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação e Angola será representada pela secretária de Estado da Cooperação, enquanto pela Guiné Equatorial estará um secretário de Estado e Moçambique e Guiné-Bissau mandaram os diplomatas que chefiam a delegação à reunião.

Entre os documentos em debate, estarão os planos de ação para a disseminação da língua portuguesa e para a cooperação económica e empresarial, adiantou à Lusa o chefe da diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva.

Os países vão também debater o aprofundamento da cooperação com os países observadores da CPLP – Eslováquia, Geórgia, Hungria, Japão, Ilhas Maurícias, Namíbia, República Checa, Senegal, Turquia e Uruguai.

O Brasil, que detém a presidência ‘pro tempore’ da organização lusófona, destacou que a CPLP “é um valioso espaço de diálogo político e oferece oportunidades para o desenvolvimento da cooperação sul-sul e para a contínua valorização” da língua portuguesa a nível mundial.

“Ao longo dos últimos 21 anos, a CPLP logrou consolidar-se como plataforma de integração e interlocução entre os países de língua portuguesa e entre eles e o mundo, tendo-se tornado um organismo internacional com credibilidade junto à comunidade internacional”, acrescentou.

O Brasil ocupa a presidência da CPLP desde a XI cimeira, realizada em Brasília nos dias 31 de outubro e 01 de novembro de 2016, sob o tema “A CPLP e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”.

O Brasil passará em 2018 a presidência da organização para Cabo Verde.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)