Com 920.700 unidades comercializadas em Junho, o Grupo Volkswagen ‘arrumou’ a primeira metade do ano com um total de 5,2 milhões de veículos, mais do que o que atingiu no mesmo período de 2016, ano em que foi o maior fabricante do mundo.

Se bem que crescendo 0,8% no semestre, o grupo alemão viu aumentar as vendas em 4,2% em Junho, o que significa que a sua actividade comercial revela tendência para aumentar, o que coloca as marcas lideradas pela Volkswagen como potenciais candidatas a renovar o ceptro das mais vendidas também este ano.

Na Europa, o desempenho do grupo saldou-se num crescimento de 3,5% face a 2016, mas não deixa de ser interessante que, na Europa Ocidental, o incremento se tenha fixado nos 13,2%, especialmente graças à Rússia (mais 14,8%), República Checa e Polónia. Curiosamente, as vendas na Alemanha caíram 2.3%, muito provavelmente devido à substituição do best-seller da Volkswagen, o Golf.

Na região norte-americana, o conglomerado germânico viu as suas vendas aumentarem 9,8%, com os EUA a serem responsáveis por um incremento de 3,9%. Na América do Sul, o crescimento foi ainda mais evidente (11,4%), atingindo um valor no mês de Junho 21,7% superior ao registado em período homólogo do ano transacto. E, no Brasil, as suas vendas deram um salto positivo de 12,4%.

Já na região Ásia-Pacífico, as vendas caíram 2,7% no semestre, mas aumentaram 4,1% em Junho, com a China, o maior mercado mundial, a contribuir com um saldo positivo de 5,2%.