Rádio Observador

Maria Luís Albuquerque

Maria Luís Albuquerque espera que Schaüble continue com “razões para elogiar Portugal”

248

Maria Luís Albuquerque, expressou hoje o desejo de que o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schauble, continue com "razões para elogiar Portugal" por isso ser "o melhor "para o país.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Vila Nova de Gaia, Porto 22 jul (Lusa) – A vice-presidente do PSD, Maria Luís Albuquerque, expressou este sábado o desejo de que o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schauble, continue com “razões para elogiar Portugal” por isso ser “o melhor “para o país.

Maria Luís Albuquerque falava à margem da apresentação do mandatário e candidato à Assembleia Municipal da lista de Cancela Moura, apoiado pela coligação PSD/CDS à Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, o eurodeputado social-democrata Paulo Rangel e a deputada centrista Cecília Meireles, respetivamente.

Numa reação aos elogios feitos pelo ministro alemão ao desempenho do Governo português em entrevista ao semanário Expresso, a ministra das Finanças do anterior Governo passou ao lado da polémica.

“Gostaria muito que o senhor Schaüble tivesse sempre razões para elogiar Portugal nesta matéria, independentemente de quem esteja no Governo porque era o melhor para todos nós”, disse.

Num breve regresso ao passado, a vice-presidente social-democrata reconheceu que “há um caminho de consolidação das finanças públicas que prosseguiu no essencial com o Governo anterior”.

“Nós herdámos um défice de 11,2% e trouxemos esse défice, excluindo o efeito Banif, que já foi depois da saída do anterior governo passou para um valor inferior a 3%”, sublinhou, para logo depois lembrar o “enorme esforço de consolidação das finanças públicas que vem de trás”.

Invocando discordância com o modelo de consolidação seguido pelo atual Governo, disse-o por achar que “não é sustentável nem transparente”, considerando isso “hoje é evidente para todos”.

“Preocupa-nos muito aquilo a que estamos a assistir quer em temos de dívida pública, que continua a não dar sinais de baixar, e os recentes desenvolvimentos quanto ao défice externo do país, que são um indicador muito preocupante”, disse.

Argumentando que “a preocupação com a consolidação da economia e das finanças do país tem de passar por mais do que algumas medidas de maquilhagem” como as verificadas “no orçamento de 2016”, defendeu que só com “medidas sustentáveis e estruturais ou estruturantes” se conseguem “produzir os resultados que seriam necessários”.

“Os resultados em termos de défice e a saída do procedimento por défice excessivo são manifestamente um resultado positivo para o país, como dissemos desde o início. Mas, mais uma vez, preocupa-nos muito a forma como estão a ser conseguidos e sobretudo a falta de sustentabilidade que os mesmos tem”, alertou.

Da entrevista do antigo presidente do Banco Espírito Santo, Ricardo Salgado, Maria Luís Albuquerque afirmou que nada do que o antigo banqueiro afirmou quando imputou a culpa pela crise no banco ao Banco de Portugal “é novo”.

“Tivemos uma comissão parlamentar de inquérito onde os vários intervenientes do processo, incluindo Ricardo Salgado tiveram a possibilidade de falar, portanto a entrevista não trouxe nada de novo relativamente aquilo que já foi dito antes”, observou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)