Dark Mode 197kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Popularidade de Macron está em queda

Este artigo tem mais de 3 anos

A queda de dez pontos percentuais ocorreu em apenas um mês. Não é a primeira vez que um presidente recém-eleito tem uma queda tão abrupta, mas não se registava nada assim desde 1995.

i

ANNE-CHRISTINE POUJOULAT/AFP/Getty Images

ANNE-CHRISTINE POUJOULAT/AFP/Getty Images

A popularidade do Presidente francês, Emmanuel Macron, caiu dez pontos percentuais em apenas um mês.

A notícia está a ser avançada pelo jornal francês Le Journal du Dimanche, que publicou uma sondagem do Instituto Francês de Opinião Pública (IFOP – Institut français d’opinion publique).

A sondagem refere que, em julho, 54% dos franceses estão satisfeitos com o trabalho de Macron, menos dez pontos percentuais do que em junho (64%). Desde o início do mandato, a queda foi de oito pontos percentuais — há três meses, 62% dos franceses diziam estar satisfeitos com Presidente.

Cote de popularité des Présidents à trois mois (Baromètre Ifop JDD)
Create line charts
Gráfico do jornal francês Le Journal du Dimanche

A última vez que se registou uma queda tão acentuada de um recém-eleito Presidente da República francesa foi com Jacques Chirac em 1995 (de 59% para 39%).

François Mitterrand, depois de ter sido eleito em 1981, sofreu uma queda de popularidade de sete pontos percentuais (de 54% para 47%). Em 1988, a queda foi de cinco pontos percentuais.

Os últimos meses não têm sido fáceis para o recém eleito Presidente. Macron tem sido alvo de diversas críticas devido aos cortes orçamentais nas Forças Armadas. O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas francesas chegou mesmo a demitir-se em protesto.

Demitiu-se chefe do Estado-Maior das Forças Armadas francesas em protesto contra Macron

Entretanto, Macron decidiu manter o corte nos impostos para 2018 depois de o primeiro-ministro, Edouard Philippe ter admitido que poderia ser necessário adiar o alívio fiscal.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.