PS

Ana Catarina Mendes responde a ultimato sobre lista de mortes. Acusa PSD de “indignidade”

1.456

A secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, respondeu ao ultimato do PSD sobre a divulgação da lista de vítimas de Pedrógão Grande, acusando a direita de "explorar a tragédia humana".

"Este não é o tempo de semear a dúvida e a desconfiança", critica Ana Catarina Mendes

PAULO NOVAIS/LUSA

O Partido Socialista respondeu esta terça-feira ao PSD, menos de 24 horas depois do ultimato apresentado pelos sociais democratas — e minutos após uma conferência de imprensa de Hugo Soares, líder parlamentar dos sociais-democratas –, que exigia a divulgação da lista de vítimas da tragédia da Pedrógão Grande. A secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, diz que a atitude do PSD, que pediu um debate de urgência no Parlamento, revela uma “ausência do sentido de Estado, imprópria de partidos como o PPD/PSD”.

O PSD e o CDS estão, como se pode provar nestes dias, sem rumo e tomados pelo mais absoluto populismo. E, na sua desesperada tentativa de conquistar votos ou de fazer aproveitamento político, não hesitam em semear a desconfiança dos cidadãos nas instituições”, disse Ana Catarina Mendes.

Para a socialista, a exigência da lista é “uma atitude de grande indignidade e de grande irresponsabilidade” e acredita ser revelador: “Caiu a máscara à direita portuguesa, que não hesita em explorar a perda de vidas humanas”, algo que considera “um valor absoluto para o PS”.

Ana Catarina Mendes considerou “inaceitável o aproveitamento político-partidário que está a fazer com tamanha tragédia humana que se viveu – e ainda se vive – em Pedrógão Grande”. Acusou ainda o PSD e o CDS de perseguição às instituições do Estado, nomeadamente “as forças de segurança, a Proteção Civil, as Forças Armadas e até a justiça são alvo de ataque permanente da direita”.

A secretária-geral adjunta reforça que PSD e CDS se devem apresentar provas de ocultação de informação: “Ou têm alguma prova, e terão que a apresentar publica e rapidamente, ou caso contrário não é admissível dar aso a especulação e a insegurança que é, afinal, o único objeto desta lamentável encenação política.”

O PS não pode por isso deixar de condenar veementemente a forma como a direita e em particular o PSD tem tentado explorar politicamente a tragédia. É intolerável e significa que o PSD atingiu o grau zero do seu sentido de Estado.”

Este não é o tempo de semear a dúvida e a desconfiança“, recorda a número dois dos socialistas, “é tempo de deixar trabalhar as entidades competentes e de reafirmar a segurança nas instituições”.

Em causa está o ultimato apresentado pelo PSD esta segunda-feira que exigia a divulgação da lista de vítimas mortais, após dúvidas de que fossem mais de 64 – o número oficial. O CDS não descarta uma moção de censura e, por sua vez, a PGR já fez saber que tenciona divulgar a lista, assim que cruzar toda a informação.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
1.135

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

Banca

Castiguem os responsáveis! /premium

Manuel Villaverde Cabral
233

A defesa tenaz de alguém como Tomás Correia faz-nos pensar que, se o PS fosse poder quando o BES faliu após toda a trafulhice, os seus líderes não se teriam atrevido a dizer não ao Sr. Ricardo Salgado

Política

O MOV 5.7 /premium

João Marques de Almeida
291

Nos últimos 25 anos, as direitas têm servido para limpar a casa socialista quando a festa chega ao fim. Depois da casa arrumada e limpa, os socialistas regressam para mais festa. Não tem de ser assim.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)