Em produção há apenas cinco anos, o modelo com que a Ford pretendeu fazer frente a propostas como o Opel Meriva, por exemplo, prepara-se para seguir o mesmo caminho do concorrente alemão – a extinção. Segundo o site romeno AutoMarket, o B-Max vai deixar de ser produzido já a partir da primeira metade de Setembro, sendo substituído na oferta da marca da oval pela nova geração EcoSport.

Fabricado na linha de montagem que o fabricante norte-americano possui em Craiova, na Roménia, o versátil B-Max dará assim por concluída uma curta existência, vítima – tal como muitos dos seus concorrentes – da apetência por SUV que o mercado regista actualmente. Face a essa tendência, a Ford optou por “trocar” o pequeno monovolume por uma proposta de inspiração mais crossover, como é o futuro EcoSport.

10 fotos

Sobre a nova geração desta espécie de SUV, cuja produção deverá arrancar no próximo Outono, na mesma unidade fabril de onde saía o B-Max, pouco se sabe ainda sobre a versão europeia. Embora as previsões sejam de que não venha a diferir muito do modelo concebido para o mercado americano, cuja produção, aliás, já começou há alguns meses.

Ainda assim, e tal como acontece no “primo” americano, é expectável que também a versão europeia do novo EcoSport, cuja apresentação poderá terá lugar já no próximo Salão Automóvel de Frankfurt (Setembro), venha, por exemplo, a perder a característica roda sobressalente no exterior do portão da bagageira. Pelo contrário, ainda não é certo que a versão europeia venha a dispor de variantes de tracção integral, tal como está previsto para o modelo americano.

Mas o EcoSport não será o único crossover a fazer parte da oferta da marca da oval, uma vez que a caminho está igualmente uma variante mais aventureira da nova geração Fiesta, denominada Active. E que, com tracção exclusivamente dianteira e sem quaisquer argumentos técnicos para o fora de estrada, a não ser a maior altura ao solo e protecções em plástico, fará da estética o seu principal elemento diferenciador.