O sindicato que representa os inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras ameaçou esta terça-feira realizar uma greve caso a ministra da Administração Interna não responda, até ao final do mês do julho, às principais reivindicações destes profissionais.

O presidente do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF (SCIF/SEF), Acácio Pereira, disse à agência Lusa que foi fixado um prazo até ao fim de julho para uma resposta positiva por parte da ministra Constança Urbano de Sousa.

Considerando estar em causa o risco de regular funcionamento da segurança interna do país, o desrespeito pelo prazo fixado levará à marcação de períodos de greve”, adianta aquela estrutura sindical.

Os inspetores do SEF exigem o início das negociações da lei orgânica e estatuto profissional, abertura de concurso externo de admissão de novos funcionários e avaliação dos elementos da carreira de investigação e fiscalização do SEF para que sejam concretizadas as promoções e progressões com previsão no próximo Orçamento de Estado, além da finalização do regime de piquete e prevenção e ausência de investimento em meios materiais considerados imprescindíveis.

Acácio Pereira lamenta também “o silêncio sepulcral” da ministra da Administração Interna e “a ausência de posições concretas” em relação aos tempos de espera de passageiros nos aeroportos, à vigilância ilegal que a ANA faz com câmaras aos inspetores do SEF e à forma como os pressiona para que aligeirem os procedimentos de segurança.

O sindicato sublinha ainda que “não pode pactuar com a inconsistência, falta de diálogo e incapacidade demonstrada pela ministra da Administração Interna para resolução dos problemas públicos que afetam o SEF e os seus inspetores”.