O senador republicano John McCain voltou esta terça-feira ao Senado para votar uma proposta para se começar a discutir mudanças ao sistema de saúde norte-americano, poucos dias depois de lhe ser diagnosticado uma forma agressiva de tumor cerebral. McCain aproveitou para fazer uma despedida emocionada, com direito a tiradas inspiradoras e puxões de orelhas a democratas e republicanos, farpas indiretas a Donald Trump e uma promessa: em breve estará de volta.

Foi um discurso emocionado. John McCain, o prisioneiro de guerra – capturado e torturado durante cinco anos no Vietname – o senador republicano – que há 35 anos está na política e que tentou ser presidente – saiu do hospital onde havia sido operado e onde lhe foi diagnosticado um tipo agressivo de tumor cerebral, voltou ao Senado para votar.

O voto foi apenas para abrir a discussão sobre a proposta dos republicanos para substituir o Obamacare, a lei que mudou o sistema de saúde norte-americano, mas sem McCain, os republicanos nem conseguiriam chegar a discuti-la. Todos os democratas votaram contra. Dois republicanos também. McCain votou a favor da discussão e, desafiante como sempre, disse que votaria contra esta proposta como ela está.

Mas não foi para apoiar a agenda que Donald Trump tem promovido que John McCain foi ao Senado. Foi para puxar as orelhas a todos os senadores, e a ele mesmo, pela incapacidade de chegarem a acordo, de falarem, de debaterem as propostas e por se preocuparem mais em vitórias pessoais ou derrotas dos adversários do que em trabalhar para o bem comum.

“[Os debates] podem ser sinceros em princípio, mas são mais partidários, mais tribais, mais agora do que me lembro que alguma vez tenham sido. As nossas deliberações ainda podem ser importantes e úteis. Mas acho que todos concordamos que não têm sido cheios de grandeza ultimamente. Como agora, não estão a produzir grande coisa para o povo americano. Ambos os lados deixaram isto acontecer. (…) Suspeito que os historiadores vão concluir que todos conspirámos para o nosso declínio, seja por ações deliberadas ou por negligência”, disse.

O senador aproveitou ainda para tentar inspirar os senadores, criticando Donald Trump, ainda que de forma indireta: “Parem de ouvir as declarações bombásticas dos que falam muito na rádio, na televisão e na Internet. Que vão para o diabo! Eles não querem nada feito para o bem comum. A nossa incapacidade é o seu ganha pão. Vamos confiar uns nos outros”.

“Não nos escondemos atrás de muros”, disse ainda o senador.

Com humor, e muitos aplausos, John McCain deixou o Senado com um até já e uma promessa a todos os que o elogiaram nos últimos dias: o senador-guerreiro voltará em breve para lhes atazanar o juízo.

“Vou para casa durante algum tempo para tratar da minha doença. Tenho todas as intenções de voltar e dar a muitos de vós razões para se arrependerem de todas as coisas boas que disseram de mim”, disse.