O antigo procurador-geral da República Fernando Pinto Monteiro disse esta terça-feira, ao Expresso, que não entende a razão pela qual a lista de vítimas mortais dos incêndios de Pedrógão Grande está em segredo de justiça e considerou que tem havido um “aproveitamento político miserável” da tragédia.

Procurador-geral entre 2006 e 2012, Pinto Monteiro diz que não consegue entender a razão pela qual a lista com as identidades das vítimas dos incêndios está em segredo de justiça, mais ainda porque não parece haver crime envolvido nos fogos.

O responsável acredita que a lista vai acabar por ser conhecida e diz até estranhar como é que em Portugal, onde diz que o segredo de justiça é violado tantas vezes, se está a respeitar o segredo de justiça neste caso.