Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A mulher suspeita de atear o incêndio florestal que deflagrou no domingo no concelho de Castelo Branco e afetou também Vila Velha de Ródão ficou em prisão preventiva, avançou à agência Lusa fonte da Polícia Judiciária (PJ).

Esta manhã, a PJ tinha divulgado que a mulher, de 50 anos e doméstica, foi detida pela Diretoria do Centro, com a colaboração da GNR, por suspeita de “um crime de incêndio florestal em terreno povoado por pasto seco e pinheiros, com utilização de isqueiro”.

A mesma fonte referiu à Lusa, durante a tarde, que depois de ouvida em primeiro interrogatório judicial para lhe serem aplicadas medidas de coação, a mulher ficou em prisão preventiva.

Segundo o Correio da Manhã, a detida começou o incêndio depois de ter visto as chamas em Coimbra e porque queria ver a atuação dos bombeiros perto da sua habitação, acrescentando que tem um fascínio por chamas.

O incêndio em causa teve início em Vale do Coelheiro, no distrito de Castelo Branco, no domingo pelas 18h, chegando até ao concelho de Vila Velha de Ródão.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Este fogo entretanto colou-se ao de Nisa, no distrito de Portalegre. No combate às chamas estão 90 operacionais e 31 veículos.

Desde o início do ano, a PJ já identificou e deteve 41 pessoas pelo crime de incêndio florestal.

Notícia atualizada às 17h56 com a informação de que foi aplicada a medida de coação de prisão preventiva