A mulher suspeita de atear o incêndio florestal que deflagrou no domingo no concelho de Castelo Branco e afetou também Vila Velha de Ródão ficou em prisão preventiva, avançou à agência Lusa fonte da Polícia Judiciária (PJ).

Esta manhã, a PJ tinha divulgado que a mulher, de 50 anos e doméstica, foi detida pela Diretoria do Centro, com a colaboração da GNR, por suspeita de “um crime de incêndio florestal em terreno povoado por pasto seco e pinheiros, com utilização de isqueiro”.

A mesma fonte referiu à Lusa, durante a tarde, que depois de ouvida em primeiro interrogatório judicial para lhe serem aplicadas medidas de coação, a mulher ficou em prisão preventiva.

Segundo o Correio da Manhã, a detida começou o incêndio depois de ter visto as chamas em Coimbra e porque queria ver a atuação dos bombeiros perto da sua habitação, acrescentando que tem um fascínio por chamas.

O incêndio em causa teve início em Vale do Coelheiro, no distrito de Castelo Branco, no domingo pelas 18h, chegando até ao concelho de Vila Velha de Ródão.

Este fogo entretanto colou-se ao de Nisa, no distrito de Portalegre. No combate às chamas estão 90 operacionais e 31 veículos.

Desde o início do ano, a PJ já identificou e deteve 41 pessoas pelo crime de incêndio florestal.

Notícia atualizada às 17h56 com a informação de que foi aplicada a medida de coação de prisão preventiva