Fogo de Pedrógão Grande

Fotojornalistas entregam donativo a bombeiros na segunda-feira

Os resultados da ação "Uma Imagem Solidária", que reuniu 5.286 euros através da troca de fotografias por donativos, vão ser entregues ao comandante dos bombeiros de Castanheira de Pera segunda-feira.

A iniciativa aconteceu cerca de um mês depois de dois grandes incêndios terem começado em Pedrógão Grande e Góis

MÁRIO CRUZ/LUSA

Os resultados da ação “Uma Imagem Solidária”, que reuniu 5.286 euros através da troca de fotografias por donativos, vão ser entregues ao comandante dos bombeiros de Castanheira de Pera na segunda-feira, foi anunciado esta quinta-feira.

O fotojornalista impulsionador da iniciativa, António Cotrim, revelou que o momento da entrega do montante angariado vai ter lugar às 11h30 de segunda-feira no quartel daquela corporação de bombeiros, “que perdeu um dos seus heróis — Gonçalo Conceição, de 40 anos — naquela que é considerada como uma das maiores tragédias” da democracia portuguesa.

“Fotojornalistas e apaixonados pela fotografia uniram-se nesta iniciativa que agora chega ao fim. O sentimento final, esse, é de objetivo cumprido”, pode ler-se no comunicado divulgado, que é também um convite para marcar presença na segunda-feira.

O mesmo texto agradece os contributos em particular dos que enviaram os seus trabalhos do estrangeiro, em “mais uma prova de que a solidariedade não conhece fronteiras”.

É com um enorme gosto que vamos dar este dinheiro e assim homenagear aqueles que sem pensarem duas vezes, ficam na linha da frente a proteger não só os portugueses como o nosso Portugal”, pode ler-se no texto.

Imagens captadas pelas lentes de 201 fotojornalistas e outros fotógrafos profissionais estiveram à disposição do público para serem levadas para casa em troca de um donativo mínimo de 20 euros para os bombeiros, numa iniciativa que decorreu na semana passada, no Museu das Comunicações, em Lisboa.

A iniciativa aconteceu cerca de um mês depois de dois grandes incêndios terem começado em Pedrógão Grande e Góis, tendo o primeiro provocado 64 mortos e mais de 200 feridos. Estes fogos terão afetado aproximadamente 500 habitações, 169 de primeira habitação, 205 de segunda e 117 já devolutas. Quase 50 empresas foram também afetadas, assim como os empregos de 372 pessoas.

Os prejuízos diretos dos incêndios ascendem a 193,3 milhões de euros, estimando-se em 303,5 milhões o investimento em medidas de prevenção e relançamento da economia. Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site