A taxa de aprovação do Governo do Presidente brasileiro Michel Temer é de apenas 5% e 70% dos cidadãos consideram sua gestão má ou péssima, revela esta quinta-feira uma sondagem do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE).

Este índice de aprovação é o menor registado pelo IBOPE desde que começou a recolher estes dados, em março de 1986. A taxa de reprovação de Michel Temer superou a do ex-presidente José Sarney, que em julho de 1989 tinha a aprovação de apenas 7% da população brasileira.

O estudo, encomendado pela Confederação Nacional da Indústrias (CNI), revela que a percentagem dos inquiridos que confiam no Presidente caiu de 17% para 10% e daqueles que aprovam sua maneira de governar desceu de 20% para 11%.

Além da queda de popularidade, as perspetivas da população brasileiro sobre o que falta do mandato do Governo também não negativas.

Para 65% dos entrevistados, o resto do mandato será mau ou péssimo e apenas para 9% será ótima ou boa.

Além disso, 52% dos entrevistados disseram que o Governo de Michel Temer é pior do que o da ex-presidente Dilma Rousseff, deposta pelo Congresso do país em agosto do ano passado.

Apenas 11% consideram que a gestão de Michel Temer é melhor do que a de sua antecessora.

Numa análise por áreas setoriais, a sondagem indica que o pior resultado foi detetado nas políticas tributárias, que tiveram 87% de desaprovação.

“Cabe ressaltar que a pesquisa foi realizada antes do aumento no PIS-Cofins (imposto cobrado pelo governo federal brasileiro) sobre combustíveis”, frisou o levantamento.

Na área da saúde, a desaprovação da população ao Governo do Brasil chegou a 85%.

As áreas de segurança pública e combate ao desemprego também registam percentuais de desaprovação superiores a 80%.

Este levantamento foi realizado entre os dias 13 e 16 de julho e ouviu 2.000 pessoas em 125 municípios brasileiros. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.