Foram retiradas 11 crianças de uma casa de acolhimento no Caramulo, Tondela, com suspeitas de maus tratos. Uma funcionária foi suspensa e o caso está a ser investigado pelo Ministério Público. A notícia é avançada esta manhã pelo Jornal de Notícias.

De acordo com a Segurança Social, citada pelo mesmo jornal, a decisão partiu do Ministério Público e do Tribunal competente, depois de uma “clara existência de maus tratos às jovens acolhidas no Lar de Infância e Juventude do Recreio do Caramulo”. O JN cita uma fonte próxima do processo que garante não estar em causa a existência de abusos de natureza sexual.

As jovens, com idades entre os 12 e os 18 anos, foram retiradas a 13 de julho e transferidas para um local “devidamente seguro e protetor”. A Segurança Social garante que o superior interesse das jovens está assegurado.

A responsável da Associação de Solidariedade Social Recreio do Caramulo – da qual o lar faz parte – diz não ter conhecimento da razão pela qual foram retiradas as crianças. Marina Leitão mostra-se “muito surpreendida” com a decisão e pediu uma explicação por escrito à Segurança Social. Além disso, a responsável confirmou que foi aberto um inquérito interno “ficando a técnica em causa suspensa preventivamente”.

O Lar de Infância e Juventude do Recreio do Caramulo acolhe crianças e jovens de famílias carenciadas e disfuncionais. Estavam 13 crianças naquela instituição na altura da retirada das jovens, duas delas maiores de idade. Uma foi acolhida noutro local e outra ficou com a mãe. O lar está agora de “portas fechadas”.