No culminar de uma semana agitada nos corredores da Casa Branca, Donald Trump demitiu esta sexta-feira o seu chefe de gabinete, Reince Priebus. A decisão foi anunciada pelo próprio Presidente dos EUA, na sua conta de Twitter, deixando também o nome do sucessor de Reince Priebus: John F. Kelly, que até agora desempenhava as funções de secretário de segurança interna.

“Acho que o Presidente queria ir numa direção diferente e eu apoio-o nisso”, disse Reince Priebus em entrevista à CNN, poucas horas depois de ser conhecida a sua demissão. “Eu sempre lhe disse e ele concordou comigo: sempre que um de nós pensar que é preciso mudar de direção, vamos falar sobre isso e tratar do assunto”, referiu, sublinhando que apoia a escolha de Donald Trump para o seu sucessor.

Àquele canal, o ex-chefe de gabinete diz que apresentou a demissão esta quinta-feira, e que esta questão estava a ser discutida com Donald Trump “nos últimos dias”.

“Não vou meter-me na lama”

O anúncio foi feito um dia depois de o novo diretor de comunicações da Casa Branca, Anthony Scaramucci, ter sido alvo de um artigo da revista New Yorker, onde foi citado a criticar agressivamente Reince Priebus. Naquele artigo, que foi motivado por uma chamada de Anthony Scaramucci, que queria saber quais eram as fontes do jornalista da New Yorker dentro da Casa Branca, o novo diretor de comunicações é citado a lançar suspeitas sobre Reince Priebus, indicando que ele podia ser a fonte de várias fugas de informação da Casa Branca.

Sobre este tema, Reince Priebus preferiu não fazer comentários na entrevista à CNN. “Não vou entrar em coisas pessoais”, disse. “Pessoas profissionais não discutem conversas privadas em público.” Perante a insistência do jornalista, respondeu: “Não vou responder, não vou meter-me na lama desse tipo de coisas”.

A relação entre Anthony Scaramucci e Reince Priebus já era tensa. Na origem, estará a oposição do ex-chefe de gabinete a uma entrada de Anthony Scaramucci para a administração de Donald Trump. Essa oposição acabou por soçobrar na semana passada, o dia que em que o novo diretor de comunicações foi anunciado — o que levou à demissão de Sean Spicer, porta-voz da Casa Branca e diretor de comunicações interino.

“Quero agradecer a Reince Priebus pelo seu serviço e dedicação ao seu país. Conseguimos muitas coisas juntos e estou orgulhoso dele”, disse Donald Trump.

A relação entre Donald Trump e Reince Priebus começou ainda durante as eleições primárias do Partido Republicano. Quando Donald Trump já estava perto de conseguir a nomeação do Partido Republicano, Reince Priebus, à altura presidente do Comité Nacional Republicano, esforçou-se para aproximar o candidato ao establishment do Partido Republicano, que até então procurava afastar-se de Donald Trump. Nessa senda, promoveu alguns encontros com figuras de topo do partido, entre os quais Paul Ryan, speaker da Câmara dos Representantes e à altura o republicano com as funções mais importantes.

Depois de ser eleito, Donald Trump escolheu Reince Priebus para chefe de gabinete. A demissão segue-se depois de pouco mais de seis meses de poder, com vários relatos na imprensa norte-americana de desentendimentos e desconfiança entre Donald Trump e o seu chefe de gabinete.