O ministro dos Negócios Estrangeiros português alertou, esta sexta-feira, para a necessidade de os jornalistas “conhecerem e respeitarem” as regras de entrada em qualquer país, depois de uma equipa da SIC ter sido impedida de entrar na Venezuela.

Eu gostaria de aproveitar para chamar a atenção para a necessidade de os jornalistas que entendam deslocar-se em trabalho a qualquer país se conformarem, conhecerem e respeitarem as regras de entrada nesse país”, afirmou Augusto Santos Silva, à margem de uma conferência de imprensa no Ministério dos Negócios Estrangeiros sobre os atos consulares realizados em 2016.

Uma equipa da estação televisiva SIC foi retida esta quinta-feira no aeroporto à chegada a Caracas, sendo obrigada a regressar a Portugal, disse uma fonte diplomática à agência Lusa.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, explicou esta sexta-feira que os jornalistas devem fazer um pedido à embaixada da Venezuela em Lisboa, solicitando autorização para trabalhar naquele país.

No caso dos dois jornalistas da SIC, foram “detetados problemas de acreditação”, à chegada a Caracas, indicou na quinta-feira a mesma fonte diplomática à Lusa.

O responsável das Comunidades afirmou que as autoridades portuguesas “estão disponíveis para auxiliar nos contactos com a embaixada” para facilitar este processo, mas afirmou desconhecer se esta situação está a ser desbloqueada.

José Luís Carneiro recordou que, na última visita que fez à Venezuela, em junho, vários jornalistas portugueses quiseram acompanhar a deslocação, mas apenas um repórter da Antena 1 conseguiu fazê-lo, por ser o único devidamente acreditado pelas autoridades venezuelanas.

Segundo a SIC, o jornalista e o repórter de imagem foram considerados “inadmissíveis no território“, onde fariam a cobertura televisiva das eleições para a Assembleia Constituinte proposta pelo Presidente Nicolás Maduro, previstas para domingo.