É um deja vú em Hollywood. O canal de televisão norte-americano HBO, responsável pela série Guerra dos Tronos, confirmou na segunda-feira ter sido alvo de um ataque informático que resultou no roubo de uma grande quantidade de informação. Aparentemente, já foram divulgados na internet episódios futuros das séries Ballers e Room 104, bem como um guião (que aparenta ser bastante legítimo) do próximo episódio de Guerra dos Tronos, a jóia da coroa do canal.

O inverno chegou à HBO: os hackers garantem ter uma grande quantidade de informação – 1,5 terabytes (cerca de 1500 gigabytes) – que pode incluir não só conteúdos da programação, mas também dados pessoais dos funcionários ou até informações sobre o estado financeiro da empresa. É, para já, incerto, mas os responsáveis estão a divulgar os conteúdos roubados aos poucos e, de acordo com um e-mail enviado aos jornalistas americanos, tencionam jogar com Guerra dos Tronos.

Olá a toda a humanidade. O maior leak do ciberespaço está a acontecer. Qual é o seu nome? Oh esqueci-me de dizer. É HBO e Guerra dos Tronos……!!!!!! São uns sortudos por serem os primeiros a testemunhar e a descarregar o leak. Aproveitem-no e espalhem a palavra. Quem espalhar bem, tem direito a uma entrevista connosco. A HBO está em queda-livre”, lê-se no e-mail, divulgado por vários órgãos de comunicação.

Claramente, a HBO não está satisfeita com a ideia de ter tanta informação sobre as séries (nomeadamente Guerra dos Tronos) a flutuar na internet, ou não fosse o canal altamente reservado sobre o desenvolvimento dos seus enredos. O comunicado que enviaram à Entertainment Weekly dá conta dessa preocupação:

A HBO sofreu recentemente um incidente cibernético, que resultou no comprometimento de informação da qual somos proprietários (…) Imediatamente começámos a investigar o incidente e estamos a trabalhar com as autoridades legais e empresas de cibersegurança. A proteção de informação é uma prioridade na HBO, e levamos a sério a nossa responsabilidade para proteger a informação que possuímos.”

Contudo, e à semelhança do que aconteceu à Netflix, uns quantos episódios roubados não são causa de preocupação para o canal, quando comparados com o estrago que pode ser feito com a divulgação de e-mails ou informações pessoais dos funcionários. Recorde-se o extenso ataque informático de que a Sony foi alvo em 2014, e a confusão que provocou, dentro e fora das salas de cinema.

O que se sabe do roubo de dados à Sony