Fogo de Pedrógão Grande

Familiares das vítimas de Pedrógão Grande pedem investigação independente e imparcial

Uma delegação de familiares das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande, Leiria, que causou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, apelou a uma investigação "independente e imparcial".

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Uma delegação de familiares das vítimas do incêndio que deflagrou em junho em Pedrógão Grande, Leiria, causando pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, apelou esta terça-feira a uma investigação “independente e imparcial” no apuramento de responsabilidades.

É um apelo dirigido àqueles que podem fazer história e que estão no terreno a investigar. Aos magistrados, aos inspetores da Polícia Judiciária, aos investigadores e cientistas da comissão técnica independente e aos investigadores do centro de estudos de incêndios florestais: que sejam independentes e imparciais, guerreiros incansáveis contra quaisquer dificuldades ou forças contrárias ao apuramento da verdade”, afirmou Nádia Piazza.

“Portugal é um Estado de Direito. Às vezes esquece-se de como foi viver nos tempos em que buscar a justiça era sinónimo de oposição. Não é. Esta luta é de todos: cidadãos, presidência, Assembleia da República, Governo e Judiciária”, defendeu uma das promotoras da futura Associação de Familiares das Vítimas de Pedrógão Grande, após uma audiência, no Palácio de Belém, com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, numa declaração sem direito a perguntas dos jornalistas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Em nome da memória /premium

Luís Rosa
166

Entre responsáveis que falam da possibilidade de uma nova tragédia nos incêndios florestais e um PM que parece ter regressado ao passado, só há uma certeza: é tudo perigosamente semelhante a 2017

Incêndios

Ressuscitando

P. Miguel Gonçalves Ferreira sj

Este modo comunitário e personalizado de lidar com a vida é tão diferente de maneirismos ideológicos, de editais sem rosto, de interesses económicos, de leis que a cidade dita para quem vive no campo.

Incêndios

Ressuscitando

P. Miguel Gonçalves Ferreira sj

Este modo comunitário e personalizado de lidar com a vida é tão diferente de maneirismos ideológicos, de editais sem rosto, de interesses económicos, de leis que a cidade dita para quem vive no campo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)