Rádio Observador

ONG

ONG na Guiné-Bissau denuncia “prática secreta” de excisão genital em bebés

A presidente de uma organização não governamental guineense denunciou que a prática "continua a acontecer de forma secreta" no país e agora em menores de um ano.

Mária Domingas Seck lidera a ONG "Sinin Mira Nassiquê", expressão em dialeto mandinga que significa "Olhar o futuro"

LUÍS FONSECA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A presidente de uma organização não governamental (ONG) guineense que luta contra a Excisão Genital Feminina (EGF) denunciou esta terça-feira que a prática “continua a acontecer de forma secreta” no país e agora em menores de um ano.

Mária Domingas Seck, que lidera a ONG “Sinin Mira Nassiquê”, expressão em dialeto mandinga que significa “Olhar o futuro”, responsabilizou o Estado guineense “pela falta de medidas” para evitar que a prática persista. A responsável indicou que “cada vez mais”, comunidades islamizadas “um pouco por todo país” têm estado a submeter crianças “de tenra idade” à prática da excisão, como forma de contornar a lei que proíbe a excisão desde 2011. Mesmo em Bissau, a prática “é recorrente”, afirmou Domingas Seck.

Antes faziam a excisão às crianças aos sete anos, mas agora fazem-na, às escondidas, logo no sétimo dia após a nascença”, observou a presidente daquela que é a mais antiga ONG na luta contra a EGF na Guiné-Bissau.

Domingas Seck disse que os familiares aproveitam-se da festa que assinala o batismo da criança – ao sétimo dia – para na mesma altura celebrar a excisão e desta forma, disse, dissimular a prática. A ativista lamenta que o Estado guineense “não esteja a fazer o que devia” para desencorajar a prática da excisão no país.

Apontou o facto de, volvidos sete anos desde a aprovação da lei pelo Parlamento guineense, ninguém ter sido condenado a prisão, conforme previsto na lei, pela prática ou a submeter uma criança à excisão. “Há pessoas apanhadas, julgadas e condenadas pela justiça, mas nunca cumpriram a pena de prisão”, lamentou Domingas Seck.

Dados do Governo guineense e de organizações nacionais e internacionais que trabalham contra a EGF referem que cerca de 50%das mulheres e raparigas do país tenham sido submetidas à prática.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)