As crianças têm um talento natural para surpreender quem as rodeia com coisas que dizem ou fazem, mas a perspicácia de Charlie Edwards não só fascinou os pais, como maravilhou o mundo inteiro. O rapaz de dez anos e síndrome de Asperger apontou um erro na exposição de dinossauros no Museu de História Natural de Londres, no Reino Unido. Os pais hesitaram, mas ele tinha razão, como conta o The Telegraph.

O Museu de História Natural de Londres é amplamente conhecido e tido como uma referência mundial, mas isso não faz com que os peritos não possam cometer erros. O que o pequeno Charlie Edwards reparou, durante uma festa pijama preparada para o seu aniversário, é que a silhueta de um dos dinossauro não correspondia ao nome associado.

O nome não estava certo. O que tinham era Oviraptor, mas a silhueta do dinossauro mostrava que era mais provável ser um Protoceratops. Eu sabia, ao ler os livros do meu pai, que a informação não estava correta”, conta Charlie.

Charlie sempre foi fascinado por paleontologia e sabia que um Oviraptor tem apenas duas patas, e que as quatros patas ilustradas na figura eram de um Protoceratops. Charlie contou aos pais o que tinha visto, mas estes ficaram reticentes. “Nós sabemos que tu és bom, mas isto é o Museu de História Natural“, disse Jade Edwards, mãe da criança.

Em casa, a criança, que sofre de Síndrome de Asperger – um transtorno do espectro autista caracterizado por uma ampla habilidade de lidar com números e informações precisas -, confirmou a informação à família, que enviou um email ao museu.

“Enviaram uma carta adorável a dizer que o Charlie estava correto e que iam retificar a informação. O sorriso dele ia de orelha a orelha”, conta a mãe.

O porta-voz do Museu de História Natural afirmou que o erro “tinha sido cometido durante um processo de remodelação da galeria dos dinossauros”. Confessaram-se muito impressionados com o conhecimento da criança e esperam que “a paixão pela paleontologia continue”.