França

Macron cada vez pior nas sondagens: só um em cada três franceses confiam nele

295

A popularidade de Macron continua a cair. Uma nova sondagem do YouGov mostra que só 36% dos eleitores têm uma visão favorável sobre o Presidente francês, uma queda de 7 pontos em apenas um mês.

CHARLES PLATIAU / POOL/EPA

A popularidade de Emmanuel Macron continua a cair. Menos de três meses depois de ter vencido Marine Le Pen, de forma convincente, na segunda volta das eleições francesas, uma nova sondagem do YouGov mostra que só 36% dos eleitores têm uma visão favorável sobre o Presidente francês, uma queda de 7 pontos em apenas um mês.

Com o eleitorado sobretudo preocupado com o desemprego, tal como antes das eleições, poderá não ter caído bem junto do eleitorado a proposta de maior flexibilidade nas leis laborais que Macron conseguiu aprovar no Senado francês. Isto apesar de Macron ter concorrido sobre uma plataforma de reformas na economia francesa, para a tornar mais competitiva. Medidas semelhantes levaram, recorde-se, a grandes manifestações contra Hollande, na fase descendente da sua governação.

Macron terá, também, sido penalizado por medidas que vão reduzir os apoios públicos à habitação e, no mesmo setor, o presidente francês foi criticado pela temporização de medidas de alívio fiscal para os inquilinos, no mercado de arrendamento. Também não terá ajudado à popularidade de Macron os escândalos financeiros que envolvem membros do seu governo (alguns dos quais já se demitiram).

O presidente francês ganhou, também, uma imagem de controlador quando se envolveu num confronto público com o líder das Forças Armadas, por causa dos cortes no orçamento da Defesa. Macron tem, por um lado, aprovado cortes de impostos que a oposição diz favorecerem os ricos e, por outro, decidiu bloquear uma venda de um porto marítimo que era propriedade de uma empresa sul-coreana, nacionalizando-o de forma temporária, criando um conflito com Itália, e justificando a decisão com o desejo de proteger os postos de trabalho.

A sondagem foi feita através da internet, na última semana de julho, entrevistando um pouco mais de 1.000 pessoas (franceses adultos). Tal como Macron, também o primeiro-ministro Edouard Philippe está a cair nas sondagens — e é, mesmo, mais bem visto do que Macron.

Não parece estar a ajudar muito o facto de Emmanuel Macron ter passado boa parte dos dias, nas últimas semanas, em encontro com estrelas da música pop como Bono, vocalista dos U2 e ativista político, e Rihanna. O ponto mais positivo para Macron é que 49% dos franceses acreditam que o governo “está disposto a fazer reformas impopulares que sejam boas para o país” — exatamente aquilo que Macron acredita estar a fazer.

Quando Nicolas Sarkozy tinha o mesmo tempo de governação, tinha uma popularidade de 66%, o dobro de Macron. Também na mesma altura, Hollande tinha 56% e Miterrand 48%. No regresso de férias de verão, será hora de aprovar o Orçamento do Estado para o próximo ano, como acontece em todos os países da União Europeia, o que poderá agravar ainda mais a queda de popularidade de Emmanuel Macron.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)