439kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

O sargento da Força Aérea que era teclista numa banda e a criança bailarina que adorava cor-de-rosa

Este artigo tem mais de 4 anos

José Lima, de 56 anos, era ex-militar da Força Aérea e foi teclista numa banda. Sofia Baptista António, de oito anos, andava na catequese e adorava cor-de-rosa. Morreram na praia de S. João.

i

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

José Lima, militar da Força Aérea há mais de 30 anos, estava a passar o dia de quarta-feira com a família na praia de São João. Foi atingido por uma avioneta quando estava a passear com a neta, de quatro anos.

Especialista em secretariado de apoio e serviços (SAS) e há quatro anos na reserva, partiu de Moselos, freguesia de Campo, distrito de Viseu, para se juntar à Força Aérea, onde permaneceu o resto da sua vida profissional. Trabalhou em diversas bases aéreas, mas foi na de Alfragide que conheceu Manuel, o homem que sempre o considerou como seu “melhor amigo”. Amigos há 30 anos, trabalharam juntos durante oito no Comando Aéreo de Monsanto e na Base Aérea de Alfragide.

Manuel caracteriza-o como “um excelente profissional”, mas também como um “brincalhão”, “uma pessoa bastante positiva” e “com uma paixão louca pela família”, em particular pela neta. “Nunca vi aquele homem triste ou chateado, estava sempre a 100% para tudo e todos. A sua família e amigos eram tudo, daria a vida por eles”, conta o amigo ao Observador.

Zé, como era tratado pelos amigos, estava na praia com a mulher, as duas filhas e a neta. Esta sexta-feira, dia em que se realiza o velório, faria 33 anos de casado e tinha planeado ir de férias com a família para o Algarve.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Benfiquista ferrenho, não perdia uma oportunidade para fazer provocações clubísticas aos colegas da base, especialmente se o seu clube vencesse. Vivia em Almada, adorava praia e a música era uma das suas grandes paixões. “Adorava música. Tocava órgão e levava-o sempre para todo o lado. Era muitas vezes contratado para animar casamentos e batizados”, explica Manuel.

Segundo o amigo, José Lima “cantava muito bem” música popular portuguesa e não se coibia de o fazer “nos corredores do local de trabalho”. “Ele tinha jeitinho para aquilo. Andava sempre a trautear as letras das músicas para não as esquecer.”

O atual presidente da Junta de Freguesia de Campo, Carlos Lima, também recorda a faceta musical de José Lima. Com 10 anos de diferença, sempre que se lembra do conterrâneo vêm-lhe à memória as atuações da banda Índice — onde Zé Lima era teclista — nos bailes de inspeção, que serviam de “despedida dos homens que iam para a tropa”.

A banda, da qual fez parte seis anos até 1986, foi uma “referência na região”, acrescenta o autarca. João Pedro Lemos, companheiro de banda de José, recorda-o como alguém “extremamente divertido”, “alegre” e “talentoso”, mesmo sem tendo formação musical. “Era um moço incrível”, acrescenta.

Aliás, a música, refere Carlos Lima, era a sua imagem de marca e uma “tradição de família”: o irmão era guitarrista e o pai foi responsável pelo coro da igreja durante vários anos. Católicos praticantes, a família era presença constante na igreja da aldeia.

Sofia, a menina que gostava de dançar

Também Sofia, a outra vítima do acidente de aviação desta quarta-feira, era católica praticante. Frequentava o terceiro ano da catequese na Paróquia de Nossa Senhora do Amparo de Benfica todas as quartas-feiras. “Era uma criança muito interessada, amiga do amigo e que gostava muito de partilhar o dia-a-dia com os seus colegas de catequese”, conta a catequista Sofia Antunes, que a acompanha desde o primeiro ano de catequese, ao Observador.

Sempre que possível, acrescenta, a criança de oito anos e a sua família frequentavam a missa da catequese, que se realiza na igreja de Benfica todos os sábado às 16h15.

Descrita como uma menina “assídua” e que “praticava dança”, planeava fazer a primeira comunhão, a profissão de fé e o crisma para o ano, como explicou fonte da paróquia.

O Externato Grão Vasco, onde estudava, não quis deixar de prestar homenagem à aluna, que adorava cor-de-rosa. “O céu ganhou um anjo e uma nova estrela, perdemos a nossa Querida Sofia António. Aos Pais, familiares e Amigos, os nossos sentidos pêsames. Sofia, estarás sempre no nosso coração”, lê-se na publicação de Facebook.

O céu ganhou um anjo e uma nova estrela, perdemos a nossa Querida Sofia António. Aos Pais, familiares e Amigos, os nossos sentidos pêsames. Sofia, estarás sempre no nosso coração ????????????????????????????????

Posted by Externato Grão Vasco on Thursday, August 3, 2017

O velório de José Lima realiza-se esta sexta-feira ao final da tarde, na Capela de Moselos, e o funeral ocorrerá no mesmo sítio, no sábado, às 15h. O funeral de Sofia António terá lugar na Paróquia de Nossa Senhora do Amparo em Benfica, este sábado às 15h30.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.