Benfica e V. Guimarães abrem este sábado a temporada oficial de 2017/18 com a Supertaça no Estádio Municipal de Aveiro, a partir das 20h45. São velhos conhecidos, clubes com uma boa relação, e que se encontram pela quinta vez em 2017: a 7 de janeiro, o Benfica ganhou por 2-0 fora a contar para a Primeira Liga; três dias depois, o resultado repetiu-se na fase de grupos da Taça da Liga; a 13 de maio os encarnados golearam na Luz para o Campeonato por 5-0 e garantiram o tetra; e a 28 de maio, voltaram a vencer no Jamor por 2-1, na final da Taça de Portugal.

O Benfica ganhou sempre, o V. Guimarães conseguiu dar mais ou menos réplica. Mas estamos no início da época, as coisas ainda não estão propriamente sistematizadas. O que pode acontecer para que se repita de novo o resultado ou para que os minhotos consigam finalmente contrariar os encarnados? Há cinco pontos a ter em conta, um deles que vai marcar a temporada: o vídeo-árbitro.

A defesa do Benfica consegue recuperar a estabilidade?

Os dois encontros do Benfica na Emirates Cup conseguiram evidenciar as coisas boas e más no conjunto de Rui Vitória. Comecemos pelo que está bem: com Pizzi, Salvio e Jonas (mas sobretudo tendo naquela posição ‘8’ o médio internacional português), a equipa recupera a sua dinâmica ofensiva e consegue, em três/quatro toques, surgir com perigo em zonas de finalização. Depois, há o outro lado: as saídas de Ederson, Nélson Semedo e Lindelöf ainda não foram superadas, como se percebeu não só pelos (muitos) golos sofridos como pela facilidade com que os mesmos foram obtidos, com movimentos que no ano passado eram controlados de forma tranquila pelo Benfica. André Almeida e Jardel devem ser apostas na defesa, com o objetivo de estancar essa intranquilidade.

Estupiñan: o melhor é começar a fixar este nome

Se o Benfica sofreu sobretudo baixas no setor defensivo, o V. Guimarães fez o principal encaixe financeiro com um lateral (Bruno Gaspar) mas teve as principais saídas no ataque, com os regressos de Hernâni e Marega ao FC Porto. Com Raphinha e Hurtado como grandes referências ofensivas, Hélder Ferreira (que esteve em destaque no Mundial Sub-20, tal como Xande Silva) e Rafael Martins são apontados à titularidade mas há outro nome a destacar-se no conjunto de Pedro Martins: Estupiñan, jovem avançado colombiano de 20 anos que foi contratado ao Once Caldas e que tem deixado sinais muito positivos ao longo da pré-temporada.

Como superar as ausências forçadas por lesão?

Bruno Varela será uma das maiores novidades entre os titulares do Benfica (além de Seferovic, provavelmente a única). Numa altura em que já se falaram de pelo menos dez ou 12 possíveis guarda-redes para os encarnados, a verdade é que não existem novidades e, para complicar as contas, Júlio César lesionou-se e não será opção. Este será um teste de fogo para o internacional Sub-21, que foi um dos melhores no último encontro frente ao Red Bull Leipzig. Também o V. Guimarães tem o central Pedro Henrique e o lateral Konan de baixa. E se no eixo central há uma solução “batida” (o capitão Moreno), na esquerda o jovem Vigário terá um duro teste. Na direita deverá ser Sacko a ficar com o lugar que era de Bruno Gaspar, embora exista também a opção João Aurélio.

A motivação extra dos dois treinadores

Costuma dizer-se que as finais não são para jogar mas sim para ganhar. E é essa ideia que poderá colocar Rui Vitória ou Pedro Martins na história do Benfica ou do V. Guimarães, respetivamente. No caso do técnico dos encarnados, que conquistou a prova no ano passado, existe esse aliciante de poder tornar-se o primeiro treinador a ganhar duas Supertaças pelas águias, depois dos sucessos de Lajos Baroti (1980), John Mortimore (1985), Sven-Goran Eriksson (1989), Ronald Koeman (2005) e Jorge Jesus (2014). Já em relação ao comandante dos vimaranenses, está em causa o primeiro título da carreira como técnico, que seria a segunda Supertaça para o clube (ganhou em 1988 ao FC Porto, em duas mãos). Como jogador, Pedro Martins só ganhou um troféu e foi a Supertaça, em 1995, pelo Sporting.

Será que o vídeo-árbitro vai estancar o ambiente crispado?

Esta será a primeira época de vídeo-árbitro no futebol português e, depois do teste na final da Taça de Portugal, agora vai ser “a sério”. Curiosamente, no decorrer da pré-temporada, este foi o tema mais falado (pelo menos ligado ao futebol, claro): era bom, era mau, quebrava aquela adrenalina do festejo do golo? Artur Soares Dias será o árbitro principal, Jorge Sousa e Hugo Miguel ficarão encarregues do vídeo-árbitro. Ou seja, os melhores. E a verdade é esta: se as coisas acalmarem com a utilização das novas tecnologias na ajuda aos juízes, algum dia vão acalmar?