Travis Kalanick, antigo presidente-executivo da Uber, não vai fazer parte do “novo capítulo” da empresa. Num email enviado esta segunda-feira a todos os funcionários, o co-fundador Garrett Camp informou que o executivo não voltará a liderar o negócio, segundo a revista Quartz.

A nossa busca por um presidente-executivo é a prioridade. É tempo de um novo capítulo e de um líder certo para esta nova fase de crescimento“, disse Camp no email. “Estou certo que viram as notícias, mas apesar dos rumores, Travis Kalanick não vai voltar a ser CEO”.

A 21 de junho, os maiores acionistas da Uber pediram a saída imediata de Travis Kalanick do cargo de presidente-executivo da empresa. A reunião terminou com a renúncia de Kalanick ao cargo de CEO de um dos gigantes tecnológicos do setor dos transportes privados. Antes dele, outros executivos deixaram a empresa sob investigação de assédio sexual e criação de uma cultura machista e discriminatória dentro da corporação.

No email, apresentado na íntegra na revista Quartz, Garret Camp afirma que a Uber “deve evoluir e amadurecer” à medida que se melhora “as culturas e práticas da empresa, de maneira a alcançar a missão de mobilidade para todos”.

Mesmo sem manter o cargo de presidência-executiva, Kalanick vai permanecer na administração da empresa, como já tinha sido anunciado anteriormente.

Assédio e cultura de obsessão. O que se passa nos escritórios da Uber, Kalanick?