Foi uma chegada emocionante com um travo de revolta. Rui Sousa tinha falhado na Senhora da Graça mas deixara uma espécie de aviso à concorrência: “A partir de agora, as coisas acabam por ser diferentes mas vou procurar divertir-me até ao final”. Hoje, foi à grande – aos 41 anos, o chefe-de-fila da Rádio Popular Boavista, que começou no ciclismo há quase três décadas (foi uma vez segundo e quatro vezes terceiro na Volta a Portugal) mas também é o presidente da União das Freguesias de Barroselas e Carvoeiro e um empresário de sucesso que comercializa aves exóticas, ganhou a sexta etapa entre Braga e Fafe (182,7km) e deixou toda a gente satisfeita.

Para se ter noção de que não é exagero, a primeira pessoa a abraçar Rui Sousa foi Raúl Alarcón, líder da classificação geral e número dois da W52 FC Porto. A seguir, vieram corredores, diretor e staff da Rádio Popular Boavista a saltar para cima do “quarentão” mais querido do pelotão como se tivesse sido marcado um golo. E esta imagem serve também para explicar aquele travo de revolta dos axadrezados, pela voz do diretor José Santos. “Não estou a falar da RTP, mas há muita gente que queria futebolizar esta Volta. Parecia que só havia FC Porto e Sporting. Mas não, há Boavista e outras equipas portuguesas. Foi uma chapada de luva branca”, confessou, já depois de analisar o triunfo de Sousa: “No briefing que fizemos ontem à noite, disse-me que ia ser o dia dele. Às vezes planificamos as coisas mas não correm bem, hoje foi tudo como tínhamos falado”.

Mas se é verdade que foi o dia do xadrez, a grande movimentação acabou por ser, mais uma vez, da W52 FC Porto, que fez xeque à principal peça do Sporting Tavira, Alejandro Marque (sobra Rinaldo Nocentini, pelo menos até ver). Foram os azuis e brancos que voltaram a agarrar na etapa desde início, tendo encabeçado a primeira fuga do dia com António Carvalho e Ricardo Mestre. A certa altura, veio à cabeça de todos o que se passou com Rui Vinhas no ano passado, mas nem a etapa era propícia para se manterem distâncias de minutos, nem o pelotão volta a cair nesse erro. Houve um novo líder virtual na prova, mas durou pouco tempo.

Alejandro Marque e Sérgio Paulinho (Efapel) tinham descolado na subida do Viso, mas os dragões acabaram por sofrer um contratempo na estratégia quando Gustavo Veloso começou a ceder e a W52 FC Porto teve de abrandar para “rebocar” o chefe-de-fila. Neste movimento, Paulinho também recuperou, Marque nem por isso. E quando toda a gente estava a olhar para a (in)capacidade do vencedor da Volta em 2013 voltar ao principal grupo, Rui Sousa partiu para a glória a menos de 20 quilómetros da meta. A W52 FC Porto percebeu, mas deixou ir. E o veterano ganhou mesmo, com quatro segundos de avanço sobre Vicente de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé) e Rinaldo Nocentini (Sporting Tavira).

Contas feitas, antes da folga (segue-se no sábado mais uma subida, à Nossa Senhora de Assunção), Nocentini até ganhou alguns segundos a Alarcón, mas a W52 FC Porto cimentou a presença de quatro corredores nas primeiras sete posições da classificação geral e conseguiu “arrumar” com Alejandro Marque.

O top-10 da sexta etapa da Volta a Portugal em bicicleta foi o seguinte:
1.º Rui Sousa (Rádio Popular Boavista), 4.41.50
2.º Vicente de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), a 4s
3.º Rinaldo Nocentini (Sporting Tavira), m.t.
4.º Gustavo Veloso (W52 FC Porto), m.t.
5.º Raúl Alarcón (W52 FC Porto), m.t.
6.º João Benta (Rádio Popular Boavista), m.t.
7.º Henrique Casimiro (Efapel), m.t.
8.º Amaro Antunes (W52 FC Porto), m.t.
9.º Sérgio Paulinho (Efapel), m.t.
10.º António Carvalho (W52 FC Porto), m.t.

Depois da sexta etapa, o top-10 da classificação geral da Volta ficou assim organizado:
1.º Raúl Alarcón (W52 FC Porto), 28.09.22
2.º Rinaldo Nocentini (Sporting Tavira), a 24s
3.º Amaro Antunes (W52 FC Porto), a 30s
4.º Vicente de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), a 34s
5.º Gustavo Veloso (W52 FC Porto), a 39s
6.º João Benta (Rádio Popular Boavista), a 1.28m
7.º António Carvalho (W52 FC Porto), a 1.35m
8.º Henrique Casimiro (Efapel), a 1.40m
9.º Sérgio Paulinho (Efapel), 1.48m
10.º Alejandro Marque (Sporting Tavira), a 1.56m