Rádio Observador

Festivais de Música

25.º edição do festival Paredes de Coura abre com Escola de Rock

Músicas dos Pixies, Sonic Youth, Motorhead ou Arcade Fire fazem parte do reportório do concerto da Escola do Rock, banda com 40 músicos que inaugura,quarta-feira, o palco de Paredes de Coura.

ESTELA SILVA/LUSA

Músicas dos Pixies, Sonic Youth, Motorhead ou Arcade Fire fazem parte do reportório do concerto da Escola do Rock, banda com 40 músicos que inaugura, na próxima quarta-feira, o palco de Paredes de Coura, festival que celebra 25 anos.

Quarenta músicos, a maioria rapazes (30), seis baterias, 14 guitarras, cinco baixos, oito vozes no coro e alguns sopros compõem a mais recente turma da Escola do Rock, a banda escolhida para abrir na quarta-feira, 16 de agosto, o primeiro dia do Vodafone Paredes de Coura, o festival de música daquela vila minhota que este ano celebra um quarto de século de existência.

Em entrevista telefónica à agência Lusa, o diretor artístico da Escola de Rock, Nuno Alves, 42 anos, conta que é “uma honra” e um sentimento “especial” abrir o palco principal de Paredes de Coura com um concerto de 45 minutos de duração e com um reportório que inclui algumas das bandas que passaram pelo festival nas 24 edições anteriores.

Nuno Alves, que vai tocar guitarra elétrica em algumas músicas do concerto da Escola de Rock, recorda que participou na primeira edição de Coura quando tinha 18 anos e que voltar ao palco daquele festival, no contexto de uma escola de rock é “importante”.

“É primeira vez que vou tocar com uma turma de miúdos que ainda são mais novos do que eu quando comecei. Nos ensaios houve vários choques culturais”, refere, exemplificando, que alguns dos elementos nem sequer conheciam “algumas referências musicais” do festival, como os Pixies.

É pelas 19:30 da próxima quarta-feira, a mesma hora em que os Arcade Fire tocaram no Paredes de Coura (2005), a Escola de Rock, cujo músico mais novo é um baterista de 12 anos, sobe ao palco e vai abordar temas de bandas como dEUS, Nine Inch Nails, Motorhead, Arcade Fire, PJ Harvey, Queen of Stone Age, Sonic Youth ou Pixies.

“Rock and Roll”, de Led Zepplin, foi a primeira música tocada no primeiro dia da primeira edição de Paredes de Coura, a 20 de agosto de 1993, pela banda Cosmic City Blues, voltando a ser tocada na 25.ª edição pela Escola de Rock, conta Nuno Alves.

O primeiro dia da 25.ª edição do Paredes de Coura fecha com a artista britânica Kate Tempest. A ‘rapper’, ‘performer’ e escritora lançou em 2016 “Let Them Eat Chaos”, o álbum que aborda temas como o capitalismo, individualismo, culto das celebridades, alienação através da tecnologia, corrupção ou alterações climáticas.

Antes de Kate Tempest, atuam os norte-americanos Future Islands, junto às margens da praia fluvial do Taboão, onde se prevê que toquem um dos seus temas mais conhecidos, “Seasons (waiting on you)”.

Os portugueses Mão Morta são outra banda que também atua no primeiro dia da 25.ª edição do Paredes de Coura, levando para o espetáculo a “celebração dos 25 anos da edição de Mutantes S.21, álbum lançado em 1992”, segundo avança a organização do festival na sua página oficial da Internet.

As bandas britânicas The Wedding Present e Beak fazem também parte do alinhamento para o primeiro dia da 25.ª edição do Paredes de Coura.

At the Drive-In, Foals, Beach House, Benjamin Clementine, Car Seat Headrest, Nick Murphy (Chet Faker), Young Fathers, Andy Shauf, You Can’t Win, Charlie Brown, Ty Segall e muitos outros vão tocar também no Paredes de Coura 2017, que termina dia 20 de agosto, sábado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)