Brasil

94% dos brasileiros não se sentem representados pela classe política

Grande maioria dos brasileiros (94%) não se sente representado pela classe política, a menos de um ano das eleições presidenciais e para o Congresso, indicou uma sondagem publicada este domingo.

81% dos inquiridos concordaram que o problema do país "não é o partido A ou B", mas sim o próprio sistema político

FERNANDO BIZERRA JR./EPA

Quase todos os brasileiros (94%) admitem que não se sentem representados pela classe política, numa altura em que falta pouco mais de um ano para a realização de eleições presidenciais e para o Congresso, indicou uma sondagem publicada este domingo. Esta perceção de falta de representação tem vindo a crescer nos últimos meses e subiu nove pontos percentuais desde novembro de 2016, segundo a sondagem da consultora Ipsos publicada pelo diário brasileiro O Estado de São Paulo.

“Segundo a opinião pública, os eleitos não representam os eleitores”, afirmou Rupak Patitunda, um dos responsáveis pela sondagem, que foi realizada entre 01 a 14 de julho junto a uma amostra de 1.200 pessoas de 72 municípios do Brasil. Em 86% das entrevistas, os inquiridos consideraram que a democracia não é respeitada no Brasil. A maioria indicou, no entanto, que continua a acreditar que este é o melhor regime para o país.

Cerca de 81% dos inquiridos concordaram que o problema do país “não é o partido A ou B”, mas sim o próprio sistema político. E 81% afirmou acreditar que no Brasil “nem todos são iguais perante a lei”.

O descrédito da classe política no Brasil e a falta de representatividade coincide com o aumento dos casos de corrupção e de suspeita de corrupção que nos últimos anos têm tocado elementos de todos os quadrantes partidários e nos mais diversos cargos, incluindo o atual Presidente do Brasil, Michel Temer.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)