Uma criança indiana de dez anos, vítima de violação e proibida de abortar pelo Supremo Tribunal da Índia, deu à luz esta quinta-feira. O caso, altamente polémico, provocou uma onda de indignação sobre o abuso sexual de crianças no país.

A criança, que não sabia que estava grávida, foi submetida a uma cesariana, não tendo noção que estava prestes a dar à luz. Os pais disseram-lhe que ia remover uma pedra que tinha no estômago, segundo a Al Jazeera. Deu à luz uma menina no hospital público de Chandigarh, norte da Índia.

A recuperação está a correr bem. Esperamos que tenha alta no início da próxima semana”, afirmou Dasari Harish, médico responsável que está a acompanhar a situação.

A menina de dez anos foi obrigada a ter o bebé depois do Supremo Tribunal da Índia rejeitar, há três semanas, o pedido da família para que esta abortasse. A criança foi repetidamente violada pelo tio durante sete meses. O crime descobriu-se depois desta se queixar de fortes dores de estômago. Na altura, já estaria grávida de 30 semanas, de acordo com o Hindustan Times.

Um tribunal local recusou-se a conceder o aborto, ao afirmar que era muito arriscado para a criança fazê-lo num estado de gestação avançado. Cerca de 10.854 casos de violação infantil foram relatados na Índia em 2015, de acordo com o National Crime Records Bureau. Desse número, 2.095 das denúncias foram feitas só em Nova Deli, mas o número real poderá ser bastante superior.