Barcelona

Marcelo e Costa passeiam nas Ramblas. “Maior vitória dos terroristas era cedermos na forma de viver”

1.323

Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa estiveram esta manhã em Barcelona a participar na celebração em memória das vítimas e aproveitaram para passar no local do atentado em nome do "cosmopolitismo".

Marcelo acompanhou os reis de Espanha na celebração esta manhã em Barcelona

Sergio Barrenechea / POOL/EPA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, estiveram esta manhã a participar na missa em homenagem às vítimas dos ataques em Barcelona e Cambrils, na basílica da Sagrada Família, em Barcelona. No fim, decidiram “ir tomar um café e passear nas Ramblas” antes de prestarem homenagem às vítimas, para mostrar que “o terrorismo não derrotou” o modo de vida ocidental, explicou António Costa em declarações aos jornalistas.

Marcelo, por seu turno, descreveu a celebração da manhã como “muito comovedora e muito impressionante” e elogiou as palavras do cardeal arcebispo de Barcelona sobre “a unidade em torno da paz”. O Presidente da República disse também que esteve com a família das duas vítimas portuguesas. “Encontrei-os fortes. Costumamos dizer que nós portugueses somos fortes no infortúnio e assim estavam eles“, descreveu Marcelo, sublinhando que ficou impressionado pela resiliência da família.

Marido e mulher, que tendo perdido a única filha e ele perdido a sua mãe, num momento especial de celebração do aniversário da mãe, estavam com uma grande força”, afirmou o chefe de Estado.

O Presidente da República aproveitou para destacar a “fraternidade” entre Portugal e Espanha, considerando que o país vizinho “tem sido inexcedível e não apenas na presença no combate aos incêndios em Portugal”. Por isso, e mesmo não se tratando de uma cerimónia oficial, “esta fraternidade tinha de ser traduzida” na presença do chefe de Estado e do chefe do Governo.

Já António Costa preferiu destacar a continuidade do “cosmopolitismo” da cidade de Barcelona, sublinhando que “o terrorismo afeta sempre todo o mundo, é uma ameaça global” e enfatizando o simbolismo de ter ido passear e tomar um café com Marcelo Rebelo de Sousa nas Ramblas. O primeiro-ministro aproveitou ainda para confirmar que, se tudo correr de acordo com o previsto, os corpos das duas vítimas portuguesas serão trasladados na segunda-feira, num avião da Força Aérea Portuguesa.

Questionado sobre a necessidade de aumentar o nível das medidas de segurança em Portugal, António Costa disse que há municípios que já estão a implementar novas medidas, como a colocação de barreiras amovíveis que impossibilitem a circulação de veículos em zonas pedonais e turísticas, mas lembrou o grande incêndio do Chiado, em 1988, em que esses obstáculos impediram o socorro das vítimas, para destacar que essas barreiras não devem ser definitivas e que a sua colocação deve ser bem equacionada.

O primeiro-ministro aproveitou ainda para defender a lei recentemente promulgada que permite o acesso dos serviços de informação (SIS e SIED) aos dados das comunicações — os metadados. O projeto, defendido pelo Governo, teve forte oposição do Bloco de Esquerda, do PCP e do PEV, que votaram contra, mas acabou por ser aprovado por PS, PSD e CDS. Esta medida permite que os serviços de informação, sob supervisão do Supremo Tribunal de Justiça, tenham acesso a dados como listas de telecomunicações, identificação dos intervenientes, localização e duração das chamadas, com exceção do conteúdo das comunicações.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)