Dado a conhecer pela primeira vez em 2008, à qual se seguiu a actual segunda geração de 2015, aquele que é – de longe – o SUV de maior sucesso da Mercedes-Benz, hoje em dia conhecido como GLC, está a comemorar um momento importante na sua existência: contabilizando as (muitas) unidades transaccionadas também enquanto GLK, o popular modelo leva já mais de um milhão de unidades vendidas.

Segundo números entretanto divulgados pela marca da estrela, a procura pelo modelo está muito longe de abrandar. Pelo contrário, durante a primeira metade de 2017, o GLC registou mesmo a melhor prestação comercial de sempre, desde o seu lançamento.

A explicar este facto, surge o peso do mercado chinês que, claramente apaixonado pelo modelo, absorveu metade das unidades produzidas. Com duas em cada três unidades a serem adquiridas por uma clientela ainda jovem, com idades abaixo dos 40 anos.

Noutro mercado igualmente importante para o GLC, os EUA, são as senhoras que fazem a diferença – quase metade das unidades transaccionadas em terras do Tio Sam tiveram como cliente final uma mulher.

Recorde-se que o Mercedes-Benz GLC é produzido em três diferentes fábricas: Bremen, na Alemanha, onde tudo começou; Pequim, na China, desde 2011; e na Finlândia, desde 2017. Da linha de produção de Bremen, não sai apenas o GLC dito tradicional, mas também a chamada versão Coupé, além das duas variantes do Classe C, sedan e carrinha.

Como curiosidade, e especialmente para aqueles leitores que gostam de conhecer a origem das coisas, lembramos que a denominação GLC é, na verdade, uma sigla. Com o “G” a remeter para o primeiro SUV fabricado pela marca, o lendário Classe G; o “L” para a palavra “Luxury”, ou luxo; e o “C” para o segmento em que o compete – o dos familiares compactos, ou C.