Livros

De Sophia à spoken-word: é esta a Feira do Livro do Porto

A Feira do Livro do Porto, que se realiza de 01 a 17 de setembro nos jardins do Palácio de Cristal, anunciou a programação cultural, que inclui debates, sessões de spoken-word, música e teatro.

F

Autor
  • Agência Lusa

A Feira do Livro do Porto, que se realiza de 01 a 17 de setembro nos jardins do Palácio de Cristal, anunciou esta quarta feira a programação cultural, que inclui debates, sessões de spoken-word, música e teatro.

A programação cultural, hoje anunciada pela Câmara do Porto, que organiza o certame, inclui ainda um ciclo de cinema, exposições, várias oficinas e atividades para crianças, que decorrem nos próprios jardins e na Biblioteca Almeida Garrett, entre outros espaços.

Entre os convidados internacionais, destaque para o escritor francês Laurent Binet, numa sessão de debate, em 16 de setembro, intitulada “O que pode a língua?” e moderada por Ana Sousa Dias, sobre “realidade e ficção, e sobre a linguagem como instrumento de transformação do Homem e do mundo”.

O autor, que em 2010 ganhou o prémio Gouncourt com o romance HHhH, sobre o assassinato do dirigente nazi Reinhard Heydrich, editou em 2016 A Sétima Fundação da Linguagem, uma “reinvenção” da morte de Roland Barthes.

No dia 03 de setembro, primeiro domingo do certame, é a sul-coreana Han Kang, que em 2016 venceu o Man Booker International por A Vegetariana, que estará presente num debate sobre “A solidão do Oriente”, sobre “a situação da mulher numa sociedade conservadora, como é a coreana, a solidão e a loucura”.

Por seu lado, o autor Teju Cole, de dupla nacionalidade nigeriana e norte-americana, conversa a 10 de setembro com Isabel Lucas sobre os “caminhos da nova literatura africana”, enquanto a escritora e tradutora brasileira Tatiana Salem Levy e a portuguesa Dulce Maria Cardoso discutem, um dia antes, se “a literatura pode salvar o mundo”, num debate moderado por Raquel Marinho.

A 16 de setembro, o evento recebe um colóquio sobre o trabalho de Óscar Lopes (1917-2013), antigo diretor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, que se destacou como linguista, crítico e historiador literário, com a participação de Artur Santos Silva, Carlos Magno, Isabel Margarida Duarte, José Luís Borges Coelho, José Manuel Mendes, José Pacheco Pereira e Viriato Pina Moura, com moderação de Isabel Pires de Lima.

O texto “Comunidade”, de Luiz Pacheco, um registo “íntimo e autobiográfico” que serve de “testemunho dos anos de privação do escritor, polemista e editor (1925-2008)”, será levado ao palco por Maria Duarte, Gonçalo Ferreira de Almeida e João Rodrigues, a 16 e 17 de setembro.

Nas sessões de ‘spoken-word’, André E. Teodósio, do Teatro Praga, criou uma performance evocativa dos 35 anos da publicação de Memorial do Convento, de José Saramago, no dia de abertura da feira, enquanto Marta Hugon (voz) e Filipe Raposo (piano) lembram Clarice Lispector, nos 40 anos da morte da escritora brasileira, a partir de uma seleção de textos de Carlos Mendes de Sousa, no dia 09 de setembro.

Na música, o jazz é o género dominante, nos finais de tarde dos fins de semana, com atuações de Eduardo Cardinho Quinteto, Renato Dias Trio, Impermanence, Pedro Neves Trio e Rui Filipe Freitas Sexteto, além dos blues dos Soaked Lamb.

A Feira do Livro do Porto vai ser dedicada a Sophia de Mello Breyner, cabendo ao filho da escritora Miguel Sousa Tavares abrir o ciclo de debates no dia 02 de setembro, com Ana Luísa Amaral e Frederico Lourenço, depois de uma cerimónia de homenagem na avenida das Tílias.

Antes, no dia 01, será inaugurada uma exposição, patente até 12 de novembro na Galeria Municipal, sobre a obra de Sophia, bem como os quatro elementos da Natureza nela presentes, com quatro curadores — Pedro Faro (fogo), Eduarda Neves (terra), Nuno Faria (ar) e Ana Luísa Amaral (água).

A programação inclui ainda várias oficinas de escrita e ilustração, para crianças e adultos, espetáculos infantis, sessões de leitura e um ciclo de cinema, programado em parceria com a Medeia Filmes.

Esta será a quarta vez que o evento é organizado pela Câmara do Porto, que apontou a mesma configuração e número de pavilhões de 2016 — 131 –, depois de no ano passado ter batido um recorde de visitantes: mais de 250 mil visitas, segundo os números revelados pelo município.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)