Vinho

Estes vinhos são bons. Os rótulos ainda melhores

892

Há rótulos de vinho que são verdadeiras obras de arte, uns divertidos, outros mais sentimentais. Depois dos brindes e dos copos vazios, há garrafas que dão mesmo pena deitar fora. Escolhemos oito.

Ribeiro Santo ET

“Quando comecei a fazer vinho, nós, no Dão, recebíamos vinhos mistos nas adegas cooperativas, de uvas tintas e brancas”, começa por explicar o enólogo Carlos Lucas. Os vinhos mistos de outros tempos davam origem a vinhos do Dão mais leves em cor e mais aromáticos no nariz. Eram tão representativos na produção global que as suas características chegaram a valer à região uma comparação com Borgonha, em França. Avançando o relógio do tempo, fazer um vinho com um perfil semelhante nos dias que correm é, nas palavras de Carlos Lucas, “fazer um vinho extraterrestre”. Nem mais. O Ribeiro Santo ET é feito a partir das castas que lhe dão a sigla: encruzado (uva branca) e a tinta touriga Nacional. “O ET é um vinho com menos cor, muito delicado e com uma estrutura interessante. Teve um ano em barrica de segundo ano”, assegura o homem que o fez nascer. Atualmente existem duas colheitas do vinho que leva no rótulo uma imagem obviamente inspirada no filme de 1982 de Steven Spielberg, sendo que a colheita de 2014 deverá chegar ao mercado já em novembro.

I'll be right here #ribeirosanto #phonehome #dão  #winesofportugal

A post shared by Martin Brown (@martinljbrown) on

Boina

Foi o avô que andava sempre de boina que lhe passou o gosto pelo vinho. A julgar pelo chapéu de pala curta que Nuno Aguiar, enólogo que já colaborou com Anselmo Mendes, leva na cabeça até durante o almoço, o avô passou-lhe também a boina. Da estima e da saudade nasceu um vinho desenhado à imagem do homem que o ajudou a crescer, mas também em homenagem aos viticultores do Douro. O Boina — cujo tinto é feito com vinhas velhas de dois terroirs diferentes e o branco leva rabigato, síria, viosinho e códega do larinho — diz respeito a um vinho do Douro, sem madeira, e representa a marca de maior volume do projeto Portugal Boutique Winery. Criado em maio de 2016, a empresa em parceria com António Olazabal Ferreira está apostada em fazer nascer vinhos do Douro e de Trás-os-Montes. Na demanda das uvas ideais, Nuno Aguiar calcorreou milhares de quilómetros num só mês, sendo que o vinho é vinificado na adega de um primo, em Miranda do Douro. Já o rótulo, esse, consiste num desenho abstrato da autoria do arquiteto Julião Pinto Leite e o design é da 327 Creative Studio, em parceria com o enólogo.

Cheers, darling.

A post shared by Camille Lacquemanne (@camille.lacquemanne) on

Quinta do Pôpa Homenagem

A duriense Quinta do Pôpa já é, em si, uma homenagem ao homem que, tendo crescido entre vinhas que não eram suas, sempre teve o sonho de ter um “pedacinho do Douro”. O Pôpa, avô de Stéphane e Vanessa Ferreira, irmãos que gerem a propriedade, não viveu para ver o desejo de longa data concretizar-se, mas é continuamente recordado. Exemplo disso é o vinho Homenagem, um vinho de guarda, mais austero, cuja primeira colheita, 2009, apenas foi lançada há sensivelmente dois anos. “Sempre quisemos fazer o Homenagem. Um dia, um amigo nosso disse que queria fazer o rótulo do vinho. Usou uma fotografia do avô e fez o desenho ainda antes de o vinho estar pronto. Inspirou-se nas antigas garrafas de Vinho do Porto, em tempos pintadas à mão, para fazer o retrato do meu avô”, explica Vanessa Ferreira no final de mais uma visita guiada pela quinta.

Até a primeira edição do vinho ser lançada, só Vanessa, Stéphane e o amigo, de nome Rui Costa, sabiam que vinho era aquele. Sem nunca contarem do que se tratava, foram-no dando a provar, ano após ano, até as opiniões de terceiros confirmarem a suspeita: o vinho estava finalmente pronto. “Nunca ninguém soube que vinho era, nem o pai”, confirma Vanessa, que conta que este chorou quando finalmente viu o tão estimado rótulo. “Se o teu avô fosse vivo… nem sei o que é que diria”, terá comentado o patriarca da família. A terceira colheita deverá chegar ainda no final do ano. Até lá, o homem que nunca foi reconhecido pelo próprio pai, e que sempre quis trabalhar a uva que era sua, está nas prateleiras da quinta que lhe levou a alcunha emprestada.

Niepoort Riesling Dócil

“Riesling Au Au, tal como o cão, é um vinho fiel e com uma identidade muito divertida”, lê-se na página oficial dos vinhos produzidos por Dirk Niepoort. O rótulo do vinho (na fotogaleria) ajuda a explicar a afirmação, não fosse este dominado por cães desenhados a traço fino e a preto e branco. A casta riesling é explorada no Douro por Nierpoort desde 2003, trabalho continuamente inspirado na região alemã de Mosel e que resulta em vinhos “incrivelmente leves e precisos, com um perfeito equilíbrio entre açúcar e acidez”.

Monólogo A&D Wines

Os vinhos Monólogo, criados pelo casal Alexandre e Dialina Gomes, funcionam quase como uma conversa privada entre o vinho e quem o bebe. Isto porque os três monocasta — arinto, avesso e chardonnay — e monoparcela pretendem ser um tributo ao seu ADN. Em cada rótulo está uma ilustração que consiste na personificação do tipo de uva usada. Mas quem melhor o explica é Dialina: “Criámos personagens capazes de traduzir as principais características das castas. No Monólogo Arinto, por ser uma casta muito aromática, temos uma pessoa a segurar flores, enquanto no Monólogo Avesso, por ser um tipo de uva muito característico da região, aparece no rótulo um funcionário agrícola”. Já o chardonnay, casta com identidade francesa no BI, é a figura de uma senhora elegante e tipicamente francesa que se destaca. Os três vinhos já vão na segunda colheita (a primeira data de 2015) e existe até uma quarta referência, o Monólogo Essência, um vinho doce monocasta avesso.

Bastardo

Pode não parecer, mas “bastardo” é o nome de uma casta duriense que ora desperta amor, ora o mais puro dos ódios. O tipo de uva, atualmente em vias de extinção, foi muito usado em séculos passados mas acabou por ser abandonado por causa da pouca cor, por ser sensível a zonas quentes e, do ponto de vista do produtor, difícil de controlar. Trabalhar com uvas “bastardas” — se assim as pudermos chamar — seria sempre um desafio, mas a enóloga Rita Marques, responsável pelo projeto Vinhos Conceito, resolveu correr o risco à mesma. “O meu avô tinha plantado uma parcela de bastardo há 40 anos, pelo que resolvemos experimentar. O risco tinha sempre de ser corrido”, garante. Da “brincadeira séria”, que começou com a colheita de 2007, haveria de surgir um vinho diferente, mais leve e elegante, que foge ao perfil típico do Douro e “esgota nos primeiros 15 dias”. A única alusão ao significado da palavra “bastardo” tal como a conhecemos está no rótulo assinado pelo artista João Noutel. Mas se a casta é bastarda, o vinho é legítimo.

Aventura e Procura

Um é atrevido e alegre, com alma festiva e faro para a aventura. Outro recebeu recentemente a mais alta pontuação de todos os brancos alentejanos provados na edição de julho da conceituada revista americana Wine Spectator (91 pontos). Os vinhos brancos Aventura (2016) e Procura (2015) são da autoria da enóloga Susana Esteban, que em 2011 decidiu aventurar-se enquanto produtora de vinhos no Alentejo. Se o Aventura resulta do loteamento de uma vinha velha de Portalegre e outra de Estremoz, o Procura nasce de uma vinha octogenária, em plena Serra de São Mamede, em Portalegre, e resulta de uma procura de dois anos pelas vinhas ideais. Os vinhos são diferentes entre si, mas irmãos na identidade: os rótulos divertidos e femininos falam por si.

Mais Vale Tarde Do Que nunca

O rótulo brilha tanto ou mais do que o tom dourado q.b. do Late Harvest que a Real Companhia Velha criou para o restaurante 100 Maneiras. O colheita tardia, vindo dos socalcos do Douro e do ano 2013, leva o nome “Mais Vale Tarde do Que Nunca”, associando o conhecido provérbio ao ato de beber. Faz sentido, dado que o vinho levou tempo a ser feito e a fazer-se — resulta da ação do fungo da Botrytis Cinerea sobre as uvas sémillon, um fenómeno natural também conhecido por “podridão nobre”. Considerado “doce, glicérico, saboroso e longo”, é fruto da primeira experiência partilhada entre o chef Ljubomir Stanisic e a Real Companhia Velha, que em 2016 celebrou 260 anos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)