Um novo documentário da BBC One sobre a princesa Diana está prestes a ser lançado. Em Diana, 7 days, os príncipes William e Harry revelam como a Rainha Isabel II e o príncipe Carlos os tentaram proteger do histerismo que existiu nos momentos após a morte da princesa de Gales.

O documentário, do cineasta Henry Singer, relata a semana entre a morte de Diana, em Paris, e o funeral, em Westminster Abbey, através de entrevistas a políticos, familiares e amigos. Um deles é Tony Blair, ex-primeiro-ministro do Reino Unido, que caracteriza Diana como o primeiro membro da família real que parecia “comportar-se como um ser humano normal”, lê-se no iNews.

Sobre Isabel II, William explica que esta se sentiu “muito divida” entre o papel de avó e Rainha. A decisão de caminhar atrás do caixão “não foi uma decisão fácil”, diz, contando que foi uma discutida entre a família. A caminhada “longa e solitária” foi uma das “coisas mais difíceis” que fez, conta.

Esta é também a primeira vez que os príncipes agradecem publicamente o apoio emocional dado pelo príncipe Carlos.

“Uma das coisas mais difíceis de fazer como pai é dizer ao seu filho que o seu outro pai morreu. Como se faz isso, não sei, mas ele estava lá para nós”,conta Harry. “Tentou sempre fazer o seu melhor e de certeza que fomos muito protegidos, apesar de ele também estar a passar pelo mesmo processo de luto”, acrescenta.

O documentário surge 20 anos após a morte da princesa de Gales e estreia na próxima sexta-feira, dia 27 de agosto, na BBC One.