A condenação por violação de um líder religioso está a gerar protestos violentos que causaram já 12 mortos no norte da Índia.

As vítimas mortais serão seguidoras do guru Gurmeet Ram Rahim Singh, de acordo com a BBC, que noticia atos de vandalismo generalizado na cidade de Panchkula, perto de Chandigarh. Pelo menos duas estações de comboio foram incendiadas. Os apoiantes do líder religioso condenado também esmagaram carros e levaram os confrontos até à capital, Nova Deli.

Em resposta, milhares de militares e outras forças de segurança foram chamados a intervir, tendo disparado gás lacrimogéneo e canhões de água contra a multidão para restabelecer o controlo, de acordo com o enviado da BBC a Panchkula, o que terá sido conseguido. Foi imposto o recolher obrigatório em várias áreas da cidade de Chandigarh e no estado do Punjab.

O guru Singh foi considerado culpado do crime de violação em 2002 de duas mulheres na sede da sua seita, conhecida como Dera Sacha Sauda. A sentença contra o líder religioso mobilizou cerca de 200 mil seguidores que se deslocaram para a área de Chandigarh antes da leitura do veredicto. O guru já foi investigado por assassinato e tem sido acusado de forçar os apoiantes a praticar a castração para ficarem mais perto de Deus, condenações que nega. Também é acusado de escarnecer das figuras das religiões mais importantes da Índia.

Ram Rahim Singh, também conhecido como o rock star baba (guru estrela de rock), tomou aos 23 anos a liderança de uma seita que se autodescreve como uma organização espiritual e de apoio social não lucrativa. O líder, também identificado pela roupa vistosa que usa, atua em concertos de rock e filmes e até tem uma linha de produtos alimentares. Reclama ter 60 milhões seguidores dentro e fora da Índia.