Troika

Portugal pagou menos 175 milhões de euros em juros à troika até julho

194

A extensão da maturidade de parte do empréstimo e os reembolsos antecipados ao FMI fizeram com que Portugal tivesse pago menos 970,5 milhões de euros em juros à troika até julho.

O Estado reduziu também o pagamento em comissões referentes ao Programa de Assistência Económica e Financeira

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Portugal pagou 970,5 milhões de euros em juros à troika até julho, menos 174,9 milhões de euros do que em igual período de 2016, devido à extensão da maturidade de parte do empréstimo e aos reembolsos antecipados ao FMI.

Os números libertados esta sexta-feira pela Direção-Geral do Orçamento (DGO) relativos à síntese de execução orçamental dos primeiros sete meses do ano demonstram que houve um recuo homólogo de 15,8% nos juros pagos no âmbito dos empréstimos do Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF).

O Estado reduziu também o pagamento em comissões referentes ao PAEF para 11 milhões de euros até julho, menos 4,9 milhões de euros (30,8%) do que os 15,9 milhões de euros pagos até julho de 2016. Considerando todos os instrumentos da dívida direta do Estado, Portugal pagou 4.871 milhões de euros em juros e comissões até julho, menos 1,1% do que os 4.923,8 milhões de euros pagos nos primeiros sete meses do ano passado.

“O decréscimo da despesa com juros e encargos da dívida direta do Estado (-0,9%) justifica-se, sobretudo, com a redução dos juros relativos aos empréstimos obtidos ao abrigo do Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF), na sequência da extensão da maturidade do empréstimo do Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (MEEF) e das amortizações do empréstimo do Fundo Monetário Internacional ocorridas no final de 2016 e no início de 2017”, indicou a DGO.

Destaque ainda para a diminuição dos juros associados a Certificados de Aforro (CA) e Certificados do Tesouro (CT), devido ao fim do pagamento de prémios extraordinários nas séries B e C de Certificados de Aforro, com impacto nos juros suportados desde abril”, acrescentou ainda.

Em sentido inverso, “relevou o aumento dos juros com Obrigações do Tesouro, em virtude da alteração do seu perfil intra anual (com um peso maior dos juros a pagar a incidir nos meses de abril e julho), bem como dos juros associados a “Outros instrumentos”, em consequência do pagamento do primeiro cupão de uma série de obrigações emitida, em 2016, ao abrigo do programa ‘Medium Term Note'”, sublinhou a DGO.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Tribunal Constitucional

Ainda há juízes no Luxemburgo!

Francisco Pereira Coutinho e Teresa Violante

Os cortes de subsídios, ao contrário do que refere o Tribunal Constitucional no acórdão de 5 de julho de 2012, estavam previstos no memorando de dezembro de 2011. A discussão continua em aberto.

Tribunal Constitucional

Uma crítica infundada

Ravi Afonso Pereira

É sempre louvável o escrutínio das decisões do Tribunal Constitucional, mas fazê-lo do modo como o fizeram os autores do artigo só contribui para a mais do que muita confusão existente neste domínio.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)