Se é um verdadeiro apaixonado por automóveis e tem uma tendência natural para irritar os outros, dizendo mal de tudo e de todos, este pode muito bem ser o emprego certo para si.

Jeremy Clarkson, o apresentador televisivo que o programa da BBC sobre automóveis “Top Gear” tornou famoso, e que hoje em dia apresenta programa idêntico para a Amazon Video, está de baixa. Em casa, doente, deixou “sozinhos” os companheiros de aventuras – os inevitáveis Richard Hammond e James May. Motivo pelo qual a empresa norte-americana decidiu abrir um exigente processo de selecção, com o objectivo de encontrar o candidato ideal para substituir o britânico, ainda que apenas temporariamente, no “The Grand Tour”. Interessado? Pode submeter a sua candidatura aqui.

No anúncio de emprego, que naturalmente não refere o nome de Jeremy Clarkson ou até mesmo do programa, a Amazon Video afirma, de forma espirituosa, estar à procura de um apresentador capaz de “fazer uma pausa antes de proferir a palavra final, ou palavras, na sequência de algumas afirmações”, não deixando de salientar igualmente que a oportunidade será apenas temporária, uma vez que se destina a “suprimir uma ausência devido a pneumonia”. Nem mais!

Ainda segundo o anúncio, o escolhido terá a possibilidade de fazer parte de “uma equipa há muito estabelecida de vários co-apresentadores e que possui um forte conhecimento de automóveis, metáforas e rock progressivo”. Sendo que o candidato deverá ter um “histórico comprovado” de “perder-se em locais desconhecidos”. Não escondendo sequer que “será dada preferência a candidatos de cabelo encaracolado”.

No entanto, e porque não se trata só de diversão, são exigidos igualmente alguns requisitos, como a capacidade de “pegar fogo acidentalmente a algumas coisas”, “conduzir – mal – maquinaria pesada” e ter uma “argumentação tão elaborada que ninguém será capaz de, alguma vez, concordar”. Difícil…

Como qualificações, uma carta de condução válida, ser falante em inglês britânico “com capacidade para o exagero e fanfarronice”, e possuir, “pelo menos, 6,5 milhões de seguidores no Twitter ou outra qualquer rede social”.