O furacão Harvey está a ganhar força à medida que se aproxima da costa do Texas, com as previsões a admitirem que esta venha a ser a pior tempestade a atingir a região em mais de uma década.

O Harvey passou a furacão de categoria 2 esta madrugada com ventos de 175 quilómetros (110 milhas) por hora, de acordo com um aviso emitido pelo Centro Nacional de Furacões. Assim que a velocidade do vento atingir as 111 milhas por hora será considerado um furacão de grande intensidade, de categoria 3. Se alcançar este nível terá a mesma categoria da tempestade Wilma que abalou a região em 2005. Também o Katrina, o furacão que provocou maior número de mortos este século, sobretudo na cidade de Nova Orleães (Lousiana), tinha uma categoria 3.

“Está a ficar claro esta manhã que o Harvey vai ser referido ao lado do Katrina e do Sandy nos livros de história”, afirmou Todd Crawford, o meteorologista chefe na Weather Company, referindo-se a dois dos fenómenos meteorológicos que mais mortos provocaram nos Estados Unidos.

O Harvey desviou-se do sul do golfe do México, ganhando intensidade depois de passar por cima da península do Iucatã no México. As previsões admitem que o furacão atinja maior intensidade quando chegar à cidade texana de Chorpus Christi, com mais de 300 mil habitantes, no final desta sexta-feira ou na madrugada de sábado. As evacuações já começaram na costa do Texas, com o governador do estado, Greg Abbott, a declarar o estado de desastre em 30 distritos. As autoridades antecipam chuva intensa (90 centímetros) e inundações. Também há evacuações no estado vizinho do Lousiana.

A indústria petrolífera do Texas, onde estão instaladas as principais refinarias dos Estados Unidos, já se está a preparar com o encerramentos de instalações de refinação e terminais portuários. As refinarias paradas representam cerca de um quinto da capacidade instalada na região, fazendo subir os preços da gasolina.

O aviso emitido pelo centro nacional de furacões