Rádio Observador

Eleições em Angola

UNITA insiste em saber a origem dos resultados provisórios divulgados

Vice-presidente da UNITA, Raul Danda, garantiu que "desde que os resultados sejam transparentes" o partido vai respeitar os resultados.

MANUEL DE ALMEIDA/EPA

Autores
  • Agência Lusa
  • Tiago Palma

A UNITA reiterou esta sexta-feira que a origem dos resultados provisórios transmitidos pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE), das eleições gerais angolanas, de quarta-feira, é desconhecida, e que o seu sistema de contagem revela liderança em algumas províncias. A posição foi manifestada, em conferência de imprensa, pelo vice-presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Raul Danda.

O vice-presidente da UNITA e candidato nestas eleições a vice-Presidente da República referiu que o Secretariado Executivo do Comité Permanente da Comissão Política da UNITA está a acompanhar “com a devida atenção” o anúncio dos resultados provisórios da CNE. Raul Danda informa que, escrutinadas 48,75% de mesas das assembleias de voto em todo o país, o sistema de contagem montado pela UNITA revela que o partido lidera na província do Huambo, com 50,13% e com 47% dos votos na província da Lunda Sul.

Já na província de Luanda, capital de Angola, os resultados obtidos, até às 10h00 desta sexta-feira, colocavam a UNITA à frente, com 47,02%, sem contar com os resultados dos municípios de Viana e Cazenga, que não foram ainda inseridos.

“Ainda na província de Luanda, o MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) está com 36,72%, a CASA-CE (Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral) com 14,20%, a FNLA (Frente Nacional de Libertação de Amgola) com 0,85%, o PRS (Partido de Renovação Social) com 0,84% e a APN (Aliança Patriótica Nacional) com 0,36%”, referiu Raul Danda.

De acordo com o escrutínio da UNITA, o partido regista diferenças substanciais, a favor do MPLA, “somente nas províncias da Huíla, Namibe e Cunene”.

O dirigente da UNITA informou que continuam a ser introduzidos os dados das atas sínteses, recebidos das assembleias de voto de todo o país, com a perspetiva de se anunciarem os resultados finais nas próximas horas. “O Secretariado Executivo do Comité Permanente da Comissão Política da UNITA apela aos angolanos a manterem serenidade e confiança na direção do partido, que tudo fará para que a justiça vença e o resultado represente efetivamente a vontade dos eleitores expressa nas urnas.”

Raul Danda garantiu que “desde que os resultados sejam transparentes” e “em qualquer posição que a UNITA fique”, o partido vai respeitar os resultados. “Nós precisamos é que a CNE tenha coragem para dizer de onde é que está a tirar esses resultados”, disse.

Na quinta-feira, um grupo de comissários representantes de partidos da oposição na Comissão Nacional Eleitoral (CNE) demarcou-se dos resultados provisórios apresentados pelo órgão eleitoral angolano, alegadamente devido aos procedimentos ilegais, utilizados na sua publicação.

Os últimos resultados provisórios divulgados hoje pela CNE dão vitória ao MPLA, com 61,70% dos votos alcançados nas eleições gerais angolanas e a eleição de João Lourenço para novo Presidente da República.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)