A chanceler alemã avisou o Reino Unido que o país vai ter que pagar o que deve, uma questão que vai fazer parte das negociações para a saída da União Europeia. Para Angela Merkel, é enganador encarar este custo como uma fatura ou multa do divórcio. No podcast semanal publicado este sábado, Merkel sublinhou.

“Esta é uma obrigação que o Reino Unido assumiu e que naturalmente deve ficar registada nas contas. Não se trata de um custo do divórcio — o que faz parecer uma multa. Ainda estamos no início dessas negociações.”

As discussões para o Brexit deverão ser retomadas esta segunda-feira em Bruxelas com muito pouca clareza no que diz respeito aos tópicos chave. E uma das principais incógnitas é o montante do pacote financeiro que irá ser um tema de partida do processo negocial. A primeira-ministra britânica, Theresa May, tem mantido silêncio sobre o tema, mas Angela Merkel reconhece que este será um tema complicado.

Avaliar quanto é que o Reino Unido deve à UE na hora da saída é um dos assuntos mais delicados e difíceis. Há analistas a avançar com estimativas que colocam a fatura próxima dos 100 mil milhões de euros brutos. O governo britânico já reconheceu que terá de pagar para sair, mas salvaguardando que quer negociar um acordo justo para o Reino Unido ao nível dos direitos e das obrigações.

Em paralelo com as negociações do Brexit, vão realizar-se as discussões para o próximo orçamento da União Europeia já sem o contributo financeiro britânico. O país era um contribuinte líquido, o que tornará ainda mais difíceis as negociações, reconhece também Angela Merkel.